`Estudo: Mudanças Climáticas Continuam a Ameaçar a Saúde Global - Olive Oil Times

Estudo: Mudanças Climáticas Continuam a Ameaçar a Saúde Global

Novembro 9, 2022
Daniel Dawson

Notícias recentes

O destino da saúde humana em todo o mundo é "à mercê de um vício persistente em combustíveis fósseis”, de acordo com um Denunciar publicado no The Lancet, uma importante revista médica.

Os 99 pesquisadores envolvidos no relatório concluíram que a dependência do governo e do setor privado em combustíveis fósseis insegurança alimentar exacerbada, aumentou a propagação de doenças infecciosas e tornou as doenças relacionadas ao calor mais prevalentes.

Tem havido uma tendência de colocar as mudanças climáticas em segundo plano. Se não conseguirmos reverter a tendência atual, estaremos condenados.- António Guterres, secretário-geral, Nações Unidas

O relatório advertiu que os custos de das Alterações Climáticas a inação na saúde global compilaria os da pandemia de Covid-19, os atuais conflitos armados e os desafios macroeconômicos.

Os especialistas descobriram que ondas de calor resultou em mais 98 milhões de pessoas relatando insegurança alimentar moderada a média em 2020 em comparação com a média do período de 30 anos encerrado em 2010.

Veja também:Editores de 200 periódicos de saúde advertem que a mudança climática está criando crises globais de saúde

Eles disseram que 29 por cento mais área de terra foi afetada pela seca extrema de 2012 a 2021 do que no mesmo período de 70 anos antes, o que aumentou a insegurança alimentar e hídrica, ameaçou o saneamento, incêndios florestais exacerbados e aumentou o risco de propagação de doenças infecciosas.

O relatório também descobriu que temperaturas médias anuais crescentes prolongaram a época de reprodução dos mosquitos, aumentando a transmissão da dengue, da febre amarela e do parasita que causa a dirofilariose em mais de 10% nos últimos 10 anos em comparação com o mesmo período de 70 anos atrás.

Anúncios

Os pesquisadores acrescentaram que as mudanças climáticas também expandiram o alcance geográfico para esses tipos de doenças, bem como doenças transmitidas por alimentos e pela água.

O relatório descobriu ainda que as mortes relacionadas ao calor aumentaram em dois terços desde 2001. Os especialistas apontaram que o calor extremo tem uma série de impactos na saúde, como agravar doenças respiratórias e cardiovasculares, aumentar a insolação e prejudicar a saúde mental.

Embora o relatório tenha pintado um quadro sombrio, os autores terminaram com um apelo otimista à ação e disseram que medidas imediatas para reduzir as emissões ainda salvariam milhões de vidas. No entanto, eles alertaram que isso exigiria uma transição muito acelerada dos combustíveis fósseis.

Enquanto isso, um separado Denunciar da Organização Meteorológica Mundial (OMM), divulgado logo após o relatório da Lancet, destacou a extensão do desafio apresentado pelas extrações de combustíveis fósseis.

A OMM descobriu que as concentrações atmosféricas dos três principais gases de efeito estufa atingiram recordes em 2021, indicando que a queima de combustíveis fósseis continuou a aumentar, apesar do investimento substancial em energia renovável na última década.

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, disse à BBC que a comunidade global deve priorizar novamente as mudanças climáticas, apesar das distrações criadas pela invasão russa da Ucrânia, a crise energética global e a inflação galopante.

"Tem havido uma tendência de colocar as mudanças climáticas em segundo plano”, disse ele. "Se não conseguirmos reverter a tendência atual, estaremos condenados.”

"Esta é a questão que define o nosso tempo, ninguém tem o direito de sacrificar a ação internacional sobre as mudanças climáticas por qualquer motivo”, concluiu Guterres.



Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões