Andaluzia vê baixa incidência de infestação de traça da oliveira

O governo regional da Andaluzia relatou níveis de infestação de traça da oliveira de aproximadamente metade dos registrados no mesmo período do ano passado.
Traça de pérola verde-oliva
Pode. 4, 2022
Simon Roots

Notícias recentes

A Rede de Alerta e Informação Fitossanitária da Andaluzia (RAIF) classificou níveis de infestação de traça de oliveira na região como "muito baixa”, com uma incidência de aproximadamente metade da observada em abril de 2021, embora o organismo tenha sido detectado em todas as oito províncias.

Dados do governo regional da Andaluzia mostram que as oliveiras nas províncias ocidentais estão em um estágio de crescimento fenológico mais avançado, com ocorrências isoladas de floração (Escala BBCH estágios 60 a 61) já observados em Huelva, Cádiz, Sevilha e Córdoba; e queda de pétalas (estágio 67 da escala BBCCH) observada em certas variedades de floração precoce em Sevilha e Cádiz.

Veja também:Pesquisadores reintroduzem morcegos em olivais andaluzes para combater pragas

In Andaluzia como um todo, no entanto, a maioria das árvores foi registrada como estando entre os estágios 52 a 59 da escala BBCH, com cachos de flores ainda em desenvolvimento. Devido à relação entre o ciclo de vida da traça da oliveira e o desenvolvimento fenológico do seu hospedeiro, a incidência de traças de geração antófagas (comedores de flores) é correspondentemente baixa.

Em 27 de abril, nenhuma atividade desse tipo havia sido observada em Granada ou Jaén, 0.7% de infestação foi registrada em Sevilha e Córdoba; e 0.2 por cento em Málaga. Esses níveis são exatamente metade dos registrados na última semana de abril de 2021. A única exceção a essa baixa incidência é a província de Cádiz, que registrou uma média de 4.2%.

Apesar de a maioria das árvores na Andaluzia ainda se encontrarem na fase de pré-floração, a incidência média de traças da oliveira filófagas (comedores de folhas) também é muito baixa, variando de apenas 0.1 por cento registado em Cádiz, a um máximo de 1.2 por cento em Málaga e Granada.

Anúncios

Em nota oficial, o órgão concluiu que a praga "está iniciando sua atividade, com danos muito baixos e incipientes nas parcelas fenologicamente mais avançadas em quase todas as províncias, exceto Granada e Jaén, onde sua atividade ainda é nula. Poderíamos dizer que estamos em um período de transição entre a geração filófaga e antófaga.”

Como meio de controle biológico da traça da oliveira, a RAIF recomenda a liberação de larvas de crisopídeos em pomares nos estágios 50 a 59 da escala BBCH.



Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões