Xylella chegou à Itália de uma fábrica de café da Costa Rica, dizem pesquisadores

Um estudo concluiu que os genomas da Xylella fastidiosa nas oliveiras da Apúlia descendiam diretamente das plantas de café da Costa Rica.

Plantas de café em San Jeronimo, Costa Rica
8 março, 2022
Por Francesca Gorini
Plantas de café em San Jeronimo, Costa Rica

Notícias recentes

Uma equipe internacional de cientistas investigou a questão persistente de como Xylella fastidiosa chegou à Europa e se adaptou ao seu novo ambiente.

O estudo, publicado na Microbial Genomics, lança uma nova luz sobre a origem da bactéria Xylella fastidiosa e como o patógeno evoluiu, matando milhões de oliveiras na Apúlia.

Nossa análise sugere que o patógeno chegou à Itália com uma única introdução da Costa Rica, confirmando 2008 como o ano mais provável em que a Xylella foi introduzida na Itália.- Maria Saponari, Conselho Nacional de Pesquisa da Itália

Embora a presença da bactéria tenha sido originalmente confirmado na Europa em 2013, resta muito pouca informação sobre a relação biológica entre genótipos de bactérias e espécies de plantas hospedeiras, o que é particularmente relevante como Xylella fastidiosa continua a se espalhar através da Europa.

Ao analisar uma população de cepas de oliveiras italianas e genomas intimamente relacionados de outras espécies e locais de plantas, os pesquisadores concluíram que o surto italiano foi causado por uma única planta de café importada da América Central em 2008.

Veja também:Pesquisadores encontram outra doença que afeta olivais na Puglia

O estudo durou cinco anos – 2013 a 2017 – durante os quais os cientistas coletaram amostras de galhos de mais de 70 árvores com Síndrome de Declínio Rápido da Oliveira, a doença causada por Xylella fastidiosa, usando um novo protocolo para extrair o DNA das árvores.

As sequências genômicas do isolado de Xylella fastidiosa que afeta as oliveiras foram então comparadas com três isolados de café e oleandro da Costa Rica, que haviam sido previamente sequenciados e estavam disponíveis publicamente.

Anúncios

Estudos anteriores - e inúmeros relatórios de plantas de café infectadas com Xylella fastidiosa importadas para a Europa da América Central – identificou a mesma bactéria em algumas plantas da América Central. No entanto, não houve evidência científica de parentesco genético entre os isolados de café da Costa Rica e os isolados de oliveira em Puglia.

A comparação de dados das sequências genéticas relatadas no estudo demonstrou que a bactéria Xylella fastidiosa das oliveiras está diretamente relacionada às variantes da América Central.

Os dados também sugeriram que o contágio ocorreu com a introdução de um "planta de café infectada assintomática, provavelmente trazida para a Itália como planta ornamental.

O estudo foi liderado por uma equipe internacional, incluindo cientistas dos Estados Unidos, França e Itália.

Entre os autores, a bióloga italiana Maria Saponari, do Conselho Nacional de Pesquisa da Itália na Puglia, foi a primeira a detectar Xyella fastidiosa na região vizinha de Salento em 2013.

europa-xylella-chegou-na-italia-de-uma-planta-de-café-costa-riquenha-pesquisadores-dizem-olive-oil-times

Abate de oliveiras em Puglia, Itália (Getty Images)

"Anteriormente considerada restrita às Américas, a detecção de Xylella fastidiosa na Europa levantou novas preocupações em todo o mundo devido ao seu potencial altamente nocivo”, disse ela. "O primeiro relatório confirmado na Europa em 2013 foi logo seguido por sua detecção progressiva em vários outros países da UE.”

"O patógeno expandiu gradualmente seu alcance geográfico em todo o mundo, bem como sua capacidade de formar novas associações com plantas hospedeiras”, acrescentou. "Nesse quadro, usamos uma ferramenta genômica para estudar os processos que levam uma bactéria emergente a uma epidemia de doenças de plantas”.

"Em particular no que diz respeito à disseminação da bactéria pelo sul da Puglia, os dados genômicos permitiram reconstruir o surgimento da Síndrome do Declínio Rápido da Oliveira, que levou à morte de vários milhões de oliveiras, com consequências ambientais, sociais, políticas e econômicas significativas ”, continuou Saponari.

"Nossa análise sugere que o patógeno chegou à Itália com uma única introdução da Costa Rica, confirmando 2008 como o ano mais provável em que a Xylella foi introduzida na Itália”, acrescentou. "Isso é consistente com os primeiros relatórios dos agricultores da Apúlia de árvores infectadas em 2010, já que o período de incubação da doença pode durar mais de dois anos”.

As plantas de café são amplamente utilizadas em jardins, vilas e resorts: sua folhagem verde intensa as torna ideais para decorar áreas externas.

"Enquanto em áreas mais frias, a planta é quase sempre mantida dentro de casa; em Salento, provavelmente foi mantido do lado de fora, favorecendo o contágio”, disse Saponari.

Para provar que a Xylella fastidiosa poderia ter sido transmitida de uma espécie para outra, os pesquisadores também realizaram experimentos onde inocularam a bactéria em plantas de café e espalharam a infecção para oliveiras de maneira controlada usando spittlebugs, o vetor natural da Xylella fastidiosa.

"Os resultados mostram que as plantas de café podem representar um portador latente da bactéria”, concluíram os pesquisadores.



Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões