Agricultores estão enfrentando o peso do agravamento da seca em Portugal

Especialistas alertam que a ausência de chuvas significativas nos próximos meses degradará a qualidade da água e sobrecarregará as culturas dependentes da irrigação, incluindo alguns olivais.
Algarve, Portugal
Fevereiro 7, 2022
Paolo De Andreis

Notícias recentes

Portugal enfrenta uma das piores secas dos últimos 20 anos. A pecuária e a agricultura foram severamente afetadas.

Os agricultores dizem que a ausência prolongada de chuvas significativas em todo o país está afetando a umidade do solo e provavelmente afetará uma série de culturas.

O problema da seca não se limita ao mundo rural e aos agricultores. A seca afetará a todos nós. As carências começam na agricultura, mas chegará um dia em que chegarão às torneiras das nossas casas.- Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da Confederação Portuguesa dos Agricultores

Especialistas alertam que a diminuição dos níveis de água nos reservatórios do país diminuirá a disponibilidade de água e diminuirá a qualidade da água. Secura e temperaturas acima do normal também são exacerbando incêndios florestais, que são tradicionalmente muito raras durante o inverno.

"O cenário não vai mudar em breve”, disse Rui Cortes, professor de pesquisa agroambiental e biologia da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Olive Oil Times.

Veja também:Até 27 milhões na Espanha enfrentam escassez de água até 2050, alerta o ministro

Em um artigo do boletim, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) confirmou que a situação poderá agravar-se em fevereiro e afetar mais zonas do país.

Os investigadores estimam que 54 por cento de Portugal já está a sofrer uma seca moderada, 34 por cento uma seca severa e o restante está a passar por uma seca extrema.

Anúncios

"Estávamos acostumados a ver muito mais chuvas na zona norte do país, pelo menos cinco ou seis vezes o que estamos vendo agora”, disse Cortes. "Ainda não está tão ruim quanto em 1996 ou 2005, mas está prestes a piorar.”

"Pode facilmente se tornar o ano mais seco já registrado”, acrescentou. "Nestes últimos três meses, a precipitação foi igual a 17 por cento da média. No momento, não há problemas imediatos com o abastecimento de água para a população urbana. Todo o país, não só o sul, sofre com a falta de água”.

As terras agrícolas dependentes de irrigação estão entre os setores mais afetados no país, incluindo Portugal expandindo rapidamente alta densidade e super-alta densidade olivais.

Os agricultores e instituições portuguesas passaram anos investindo no desenvolvimento do sector do azeite em termos de produção, tecnologia e superfície.

"É uma situação marcante se pensarmos no azeite ”, disse Cortes. "Estamos tendo um temporada muito produtiva, são tantas as azeitonas que alguns produtores portugueses recorrem a Espanha para processar as suas azeitonas. Nesse cenário, a escassez de água provavelmente afetará a próxima temporada.”

No sul, onde a escassez de água afetou mais os agricultores dependentes da irrigação, os especialistas alertam que culturas como amêndoas, vinhas e azeitonas serão afetadas pela redução da disponibilidade de água. Os níveis de água dos principais reservatórios da região estão caindo rapidamente.

"O governo está agora agindo para reduzir a presença de biomassa de peixes nessas águas porque, à medida que os níveis diminuem, o excesso de peixes resultante afetará a qualidade da água”, disse Cortes.

De acordo com um relatório publicado pelo Correio da Manha, os níveis das barragens de norte a sul são surpreendentemente baixos, abaixo de 50% ou mais de sua capacidade total.

Uma avaliação da agência APA, que monitora os recursos hídricos do país, mostra que 14 não atingem 40% de seus níveis normais de operação. O levantamento da presença de água subterrânea também mostrou níveis abaixo do normal.

Rogério Ferreira, chefe da Direção-Geral da Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR), disse à agência noticiosa Lusa que a situação está a ser acompanhada de perto.

Estão também a ser implementados planos de contingência para as localidades mais afetadas, como o sudeste alentejano, altamente relevante agrícola no sul, e o Algarve, a região mais meridional do país.

De acordo com a DGADR, o objetivo das atuais operações é fornecer água aos agricultores. Ao mesmo tempo, estão sendo discutidos planos para mitigar os efeitos da seca e investir no reaproveitamento parcial das águas residuais para as necessidades agrícolas.

"Para lidar com a situação, volumes relevantes de água estão sendo desviados dos maiores reservatórios para os menores, o que também eleva os custos para os agricultores”, disse Cortes.

Em nota, a Confederação dos Agricultores (CAP) descreveu a situação como "extremo” e pediu a intervenção do governo.

"Toda a atividade de inverno está comprometida e evolui numa situação de extrema gravidade ao nível da pecuária e das culturas de outono e inverno”, Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP, disse à agência Lusa.

A CAP alertou que o inverno quente fez com que muitas plantas entrassem prematuramente no "atividade fotossintética expressiva”, o que é incomum para a estação. Nesta fase de crescimento, plantas e árvores procuram umidade, que pode não ser suficiente.

"O cenário é muito preocupante”, disse Oliveira e Sousa. "Estou surpreso que não tenha havido nenhuma mensagem oficial dirigida ao público para não desperdiçar água de forma alguma. O problema da seca não se limita ao mundo rural e aos agricultores. A seca afetará a todos nós. A escassez começa na agricultura, mas chegará um dia em que chegará às torneiras de nossas casas.”

Os agricultores esperam agora as chuvas de primavera, que, no caso das plantas adormecidas, como as árvores frutíferas, podem trazer algum alívio. No entanto, se a chuva não vier, as consequências da seca impactarão todas as safras e os preços dos produtos.

Os planos atuais podem não ser suficientes para mitigar a situação, alertaram especialistas. Cortes disse que muitos projetos atuais do governo visam expandir a agricultura dependente da irrigação, incluindo olivais, vinhas e amêndoas.

"Esses projetos já estão em fase avançada de desenvolvimento. Localizam-se maioritariamente na bacia central do país e incluem a construção de 15 barragens de pequena escala para aumentar o potencial de irrigação”, disse.

"Essas culturas são altamente exigentes em termos de água”, acrescentou Cortes. "No cenário atual, estamos trabalhando na expansão de culturas dependentes de irrigação. Portanto, os planos de reutilização de água podem ter apenas efeitos residuais.”

"Quando temos chuva, ela se concentra cada vez mais em períodos curtos. Com isso, as consequências podem ser inundações e perda de solo, um fator relevante para a erosão”, concluiu. "Nos últimos 20 anos, não tivemos um único ano chuvoso.”



Olive Oil Times Série vídeo

Advertisement

Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões