Novo esforço para salvar oliveiras atingidas por Xylella na Apúlia

A nova iniciativa da Apúlia reúne olivicultores, proprietários de fazendas e pesquisadores para salvar as oliveiras centenárias de Ostuni da Xylella fastidiosa.
Por Paolo DeAndreis
19 de janeiro de 2023 12:02 UTC

Em Ostuni, um dos distritos da Apúlia atingido pelo Xylella fastidiosa infecção, olivicultores e proprietários das quintas rurais tradicionais conhecidas como "masserie” estão se preparando para combater as bactérias que infectam seus milenar e oliveiras centenárias. Os olivicultores e proprietários de fazendas se unirão a pesquisadores para apoiar, divulgar e financiar a ampla aplicação do Protocolo Scortichini.

Olive oil proproduzido pelo pomares resilientes aderindo ao protocolo criado pela recém-financiada associação anti-Xylella, "Circle of Life”, será vendido e pesquisado.

"Já começamos; este ano foi o nosso primeiro ano. Temos aqui duzentas oliveiras e, pela iniciativa, produzimos uma garrafa de azeite virgem extra para cada uma das árvores”, disse Jennifer Andreu, proprietária da Masseria Guadalupe em Ostuni e coordenadora do Circle of Life. Olive Oil Times.

Veja também:Produtores em Puglia devastada por Xylella avaliam uma colheita delicada

O resultado "Olio Traiana” EVOO é nomeado após o "Via Traiana”, a antiga via romana que ligava Brindisi a Benevento e ao resto do território romano.

"O objetivo da associação é valorizar o excelente olive oil proproduzido pelo árvores antigas protegendo-os e apoiando aqueles que não têm meios para adotar o protocolo e salvar suas árvores”, disse James Kinahan, Olio Traiana e gerente de marketing do Circle of Life. Olive Oil Times.

A associação espera eventualmente adotar um rótulo específico para EVOOs produzidos por pomares aderentes ao protocolo Scortichini. "Isso também pode ajudar a espalhar a nossa ideia para outros distritos e chegar a outras áreas infectadas”, acrescentou Andreu.

"Para a produção atual, contamos com a intervenção do famoso artista e designer mexicano Pedro Friedeberg, autor da grife deste ano e que nos ajudou a elaborar um produto que também inclui informações sobre o protocolo Scortichini”, destacou Kinahan.

Nos últimos sete anos, vários olivicultores aplicaram o protocolo Scortichini no sul da Itália. Seu sucesso ilustrou como uma implantação correta de um produto orgânico específico aliada a uma boa práticas agrícolas e técnicas de poda eficientes poderiam prevenir e reduzir o impacto da bactéria.

"Vimos os resultados conversando com os produtores que estão aplicando o protocolo. Já organizamos dois eventos com a comunidade local, e novos estão agendados. Há um interesse crescente pelo protocolo”, disse Andreu.

O protocolo Scortichini é nomeado após o diretor de pesquisa do Conselho Nacional de Pesquisa Marco Scortichini. Ao longo dos anos, o protocolo demonstrou interromper a reprodução da bactéria e permitir a Oliveira para resistir à infecção.

"Tivemos Marco Scortichini no último evento em dezembro, com ele estava outro pesquisador da Universidade de Bari, Francisco Porcelli, cujo trabalho é fundamental para entender a dinâmica de disseminação da bactéria. Também contamos com o apoio da filial local da CIA-associação de agricultores italianos, que vai ajudar a Circle of Life a chegar aos agricultores da região”, explicou Andreu.

Muitos produtores locais entrevistados pela Olive Oil Times confirmaram que o protocolo Scortichini permite mesmo oliveiras altamente infectadas recuperar e voltar a produzir.

Veja também:Protocolo de contenção da Xylella Fastidiosa se mostra eficaz na Puglia

"Além disso, o protocolo provou ser bem-sucedido na redução de fungos altamente prejudiciais e na contenção da propagação do azeitona fruit fly”, observou Andreu.

Andreu, nascido no México, está se unindo a outros expatriados para salvar o oliveiras italianas históricas, razão pela qual muitos deles se mudaram para a Puglia. "Estamos falando de plantas incluídas na lista do patrimônio mundial da UNESCO. Quando aqui chegamos e vimos uma paisagem tão única, encontramos tantos outros proprietários de masserias preocupados com o futuro das amadas oliveiras. Todos sentíamos falta de orientação e os protocolos atualmente adotados não paravam Xylella de se espalhar”, acrescentou.

Nos últimos meses, dezenas de árvores foram infectadas fora das áreas de zona vermelha. Apenas algumas semanas atrás, as autoridades regionais locais expandiram o território considerados formalmente atingidos pela Xylella para incluir as novas regiões.

Nos distritos infectados, as autoridades realizam intensas operações de monitoramento e destroem as oliveiras infectadas. Os agricultores tentam usar práticas de limpeza para limitar as oportunidades para o insetos vetores xylella para reproduzir e contribuir para a propagação da bactéria.

Ainda assim, pouco antes do Natal, as operações de monitoramento encontraram novamente mais árvores infectadas fora das atuais zonas vermelhas.

"O nosso objetivo é valorizar o azeite dessas plantas centenárias únicas. E para mostrar como a proteção das árvores e dessa paisagem tem fortes implicações econômicas”, observou Kinahan.

Os próximos passos para o nova iniciativa incluirá a publicação de todas as suas informações e um calendário de tratamento online. "Isso ajudará os produtores a entrar em contato conosco e eventualmente aderir à associação. Também vai apoiá-los no planejamento antecipado da implantação do protocolo durante todo o ano”, finalizou Andreu.



Artigos Relacionados

Feedback / sugestões