`Experiência de Portugal na proibição de galhetas de azeite em restaurantes - Olive Oil Times

Experiência de Portugal Banindo Cruets de Azeite nos Restaurantes

Janeiro 17, 2013
Julie Butler

Notícias recentes

A Comissão Européia está considerando proibir galheteiros de azeite das mesas de restaurantes e exigir que apenas garrafas invioláveis ​​e não recarregáveis ​​sejam usadas.

Portugal introduziu essa lei em 2005, a Itália acaba de decidir seguir o exemplo e a Espanha diz que o fará também.

Olive Oil Times conversou com Mariana Matos, secretária geral da Casa do Azeite, Associação Portuguesa de Azeite, sobre a experiência de seu país com essa mudança.

Qual foi o impacto, se houver, no setor de azeite de Portugal?

Tem sido muito importante para a imagem do azeite. No passado, muitas vezes estragava minha refeição por usar inadvertidamente um azeite muito ruim, até que parei de usar o azeite servido em alguns restaurantes.

Esse tipo de coisa é muito ruim para a imagem do azeite porque afasta o consumidor de um produto realmente bom e, do nosso ponto de vista, só pode ser evitado com esse tipo de legislação.

Anúncios

Outro impacto positivo é que abriu uma nova forma de aumentar o conhecimento da marca. As marcas investiram pesadamente no design de seus galhetes e agora oferecem uma variedade de azeites de oliva e também vinagre. Isso mantém a tradição de ter esses itens à mesa para temperar os alimentos, mas agora acompanhados de informações adequadas ao consumidor, como a qualidade do azeite (virgem extra, virgem, etc.), data de validade e origem.

Tudo isso é muito importante e ensina os consumidores a serem mais exigentes.

Houve alguma alteração no consumo de azeite em Portugal?

Sim, o consumo de azeite, especialmente virgem extra, aumentou muito, embora não apenas devido a esta lei. Há cinco anos, o consumo per capita era de cerca de 6 kg / ano e agora é mais de 8 kg / ano, e está aumentando.

As embalagens não recarregáveis ​​aumentam o desperdício ambiental?

Bem, o mesmo se aplica a muitos produtos, e ninguém consideraria voltar a comprar todos os seus produtos a granel. Além disso, o vidro é usado principalmente e é mais barato e mais eficiente para reciclar do que outros materiais.

As empresas criaram seus próprios galheteiros de marca, geralmente 250ml. Esse é o tamanho mais adequado, pois a garrafa não fica aberta por muito tempo, o que causaria oxidação prejudicial, reduzindo a qualidade do azeite, principalmente em condições quentes, o que às vezes acontece em restaurantes.

A lei se aplica a todo o azeite usado no setor de hospitalidade?

Não, apenas aos azeites colocados nas mesas para que as pessoas temperem sua comida. Não se aplica a cozinhas de restaurantes onde o azeite é usado na preparação de refeições e a embalagem de até 25l é permitida em Portugal.

Qual tem sido o feedback dos restaurantes?

A maioria dos restaurantes que querem se diferenciar de acordo com a qualidade e o cuidado com os ingredientes é bem-vinda, mas sempre que uma prática estabelecida é proibida, sempre há alguma oposição.

Os problemas que temos atualmente em Portugal são com as autoridades de inspeção, que não cumprem efetivamente a lei.

O que você fez para apoiar o setor de hospitalidade?

Realizamos centenas de eventos de treinamento com proprietários de restaurantes, chefs e funcionários em espera para equipá-los com informações sobre o produto e os benefícios das novas regras.

Nesse treinamento, sugerimos que os restaurantes tratem o azeite de oliva um pouco como o vinho. Nós os encorajamos a oferecer menus de azeite (como listas de vinhos) para que os consumidores possam escolher entre diferentes azeites, de várias regiões e variedades de azeitonas.

Isso só é possível se você tiver azeite devidamente engarrafado e rotulado e com tampas que impeçam o reabastecimento, garantindo assim que o conteúdo original da garrafa não foi blenddo com nenhum outro azeite. Este último pode ser uma prática muito tentadora para restaurantes, mas é muito prejudicial para a qualidade do azeite.

Qual é o seu conselho para os países que estão considerando uma lei semelhante?

Que busquem o apoio da indústria de restaurantes e hospitalidade e expliquem claramente os benefícios e a diferenciação que isso pode resultar. Além disso, especialmente nos estágios iniciais, ao invés de uma função de policiamento, as autoridades de inspeção devem desempenhar uma função educacional.

Os custos aumentados são inevitáveis?

Em Portugal, a entrada em vigor da lei coincidiu com uma queda significativa dos preços ex-mill, então na verdade o custo caiu.

Mas, de acordo com os nossos dados, a mudança resultaria num aumento do custo de cerca de € 0.05 para uma garrafa de 250ml, principalmente devido à diferença de custo entre as tampas normais e as não recarregáveis.

Uma garrafa 250ml pode servir cerca de pessoas 10, o que significa um custo aumentado de cerca de € 0.005 por pessoa para uma refeição média.

Isso nos parece bastante razoável, dadas todas as vantagens, como higiene e segurança alimentar, maior qualidade e respeito ao consumidor.

Mas com os preços ex-mill agora subindo, se a lei fosse aprovada, provavelmente seria injustamente culpado ...

(Uma proposta sobre o uso de garrafas não recarregáveis ​​(embalagens de mão única) no setor HORECA (hotel, restaurante e catering) estava na agenda da reunião de janeiro do 16 do Comitê de Gestão da CE para a Organização Comum de Mercados Agrícolas.)



Olive Oil Times Série vídeo
Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões