Obesidade infantil em ascensão na Espanha como adesão à dieta mediterrânea cai

Um relatório da Save the Children destaca a crise de obesidade infantil na Espanha e o rápido declínio da dieta mediterrânea. A caridade pede ação urgente do governo.
Lloret de Mar, Espanha
Pode. 9, 2022
Simon Roots

Notícias recentes

A Save the Children, uma organização não governamental internacional, emitiu um alerta severo sobre o futuro da Dieta mediterrânea e estilo de vida, citando a desigualdade socioeconômica e a Pandemia do covid-19 como fatores determinantes para o seu declínio.

"Os países mediterrâneos deixaram de ter uma das dietas mais saudáveis ​​do mundo para uma onde doces, fast food e bebidas açucaradas substituíram frutas, legumes, azeite e peixe”, segundo um artigo de 64 páginas. Denunciar publicado no mês passado.

Os autores do relatório calcularam que a Espanha agora tem uma das maiores taxas de obesidade infantil da Europa, superada apenas por Chipre, com quase 20% de suas crianças de sete a oito anos sendo clinicamente obesas. Isto é consideravelmente superior à média europeia de aproximadamente 12.5 por cento.

Veja também:Nova lei na Sicília protege e promove a dieta mediterrânea

Como parte importante de sua pesquisa, a organização realizou uma nova pesquisa usando os critérios da Pesquisa Nacional de Saúde da Espanha (ENSE) 2017 para determinar o alcance do impacto da pandemia de Covid-19 nessa área.

A análise dos resultados indicou que, antes da pandemia, os níveis de excesso de peso em crianças espanholas começaram a diminuir lentamente, em linha com os de outros países mediterrâneos, como Grécia e Portugal.

Anúncios

No entanto, a pandemia, com as consequentes restrições de movimento em conjunto com o encerramento de escolas e instalações desportivas, viu essa tendência positiva reverter com um aumento de 0.9% no excesso de peso entre os menores de 18 anos até setembro de 2021.

Os autores alertaram que esse aumento pode até ser uma subestimação, uma vez que as restrições da pandemia também reduziram drasticamente o número de consultas pediátricas de rotina nas quais informações mais detalhadas e precisas são registradas.

Embora a pandemia tenha impactado claramente a atividade, a dieta e as finanças da população em geral, ela representa apenas uma parte isolada do problema.

O estilo de vida e os hábitos alimentares das regiões olivícolas mediterrânicas sofreram alterações muito significativas nas décadas que se seguiram à Segunda Guerra Mundial, com a introdução do fast food, o consumo de grandes quantidades de carnes vermelhas e outros hábitos nocivos.

Nos últimos anos, a tendência se acelerou. Por exemplo, o consumo médio de peixes e frutos do mar na Espanha diminuiu aproximadamente 30% entre 2000 e 2019. A crescente popularidade das bebidas carbonatadas também alterou o perfil nutricional da população.

De acordo com o 2019 Estudo ANIBES, o consumo médio de energia da população espanhola foi de 1,810 quilocalorias por dia, das quais 12% foram entregues por meio de bebidas.

No entanto, outros grupos populacionais da França e da Itália apresentaram menor proporção de energia fornecida pelas bebidas (8% e 6%, respectivamente). Além disso, uma mudança significativa entre os adultos para consumo de cerveja em vez do vinho tinto mais tradicional ocorreu.

Veja também:Notícias de Saúde

Catalina Perazzo, diretora de advocacia social e política da Save the Children, disse que "as crianças na Suécia são [agora] as que mais se aproximam de uma dieta mediterrânea na Europa”.

Embora esse fenômeno seja generalizado, é especialmente prevalente entre as famílias de baixa renda. Os dados do ENSE de 2017 revelaram que os filhos de trabalhadores não qualificados tinham três vezes mais chances de sofrer de obesidade do que os de pais em cargos de gestão.

Este último relatório forneceu informações mais significativas sobre as causas dessa disparidade, analisando a qualidade da dieta, atividade física, sono e tempo de tela.

Os pesquisadores descobriram que o status socioeconômico é o fator mais significativo em todas essas áreas, principalmente aquelas relacionadas à atividade física.

Mais de 71 por cento das famílias de alta renda relataram praticar atividade física ou esportes regularmente, em comparação com 41 por cento das famílias de baixa renda.

Por outro lado, enquanto 46% das crianças de famílias de baixa renda passavam mais de cinco horas por dia em frente a uma tela, os dados para famílias de alta renda mostravam que quase 80% das crianças gastavam menos de uma hora por dia nesse maneira.

Uma relação semelhante foi encontrada nos hábitos alimentares, com 18% das crianças de famílias de baixa renda consumindo doces diariamente, 5% consumindo bebidas carbonatadas diariamente e 2% consumindo fast food diariamente.

Os números correspondentes das famílias de alta renda foram 10%, 0% e 0%, respectivamente.

Os autores concluíram que "em domicílios de menor renda, as possibilidades de acesso aos alimentos necessários a uma alimentação balanceada [e] de custeio de atividades extracurriculares ou de lazer não sedentárias” são reduzidas.

Como resultado, eles disseram que é necessária uma ação urgente do governo nos níveis nacional e regional para reverter essas tendências e salvaguardar a saúde e a prosperidade das crianças em todo o país.



Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões