Alguns alimentos ultraprocessados ​​são viciantes, como o tabaco

Alimentos ricos em carboidratos refinados e gorduras adicionadas desencadeiam algumas das características de comportamentos viciantes nos consumidores.
Novembro 17, 2022
Paolo De Andreis

Notícias recentes

Alimentos ultraprocessados ​​comumente disponíveis em varejistas de alimentos na maioria dos países compartilham algumas das características viciantes do tabaco, novas pesquisa sugere.

Um artigo de opinião e debate publicado pela Society for the Study of Addiction investigou se e como o consumo de alimentos ultraprocessados ​​pode levar a um vício com risco de vida.

Pesquisas anteriores mostraram que frequentes, alto consumo de alimentos ultraprocessados tem sido associada a um aumento de ataques cardíacos, derrames e morte prematura.

Veja também:Notícias de Saúde

Os impactos negativos cada vez mais aparentes dos alimentos ultraprocessados ​​na saúde levaram diversas autoridades e pesquisadores a recomendarem que as empresas indicar se um produto é ultraprocessado em seus rótulos.

Agora, os pesquisadores estão investigando se pode existir um fenótipo de dependência alimentar, particularmente envolvendo alimentos com carboidratos refinados e gorduras adicionadas (HPFs).

Anúncios

"A falta de critérios cientificamente fundamentados para avaliar a natureza viciante dos HPFs prejudicou a resolução desse debate”, escreveram os pesquisadores.

Eles disseram que existe evidência de um fenótipo existente que reflete a "características do vício” em alguns consumidores, como perda de controle sobre a ingestão, desejos intensos, incapacidade de reduzir e uso continuado, apesar das consequências negativas.

Além disso, a ingestão excessiva de alimentos tem sido associada a sintomas de outros transtornos de dependência, incluindo baixa qualidade de vida ou reações adversas a tratamentos para perda de peso.

Os autores do estudo também reconheceram que outros pesquisadores tendem a acreditar que o vício alimentar não depende do tipo de alimento, mas do ato de comer, impossibilitando a classificação de alimentos específicos como viciantes.

"Os HPFs são produtos evolutivamente novos, possibilitados pela tecnologia alimentar moderna, que fornecem reforços primários refinados e de entrega rápida, especificamente calorias, na forma de carboidratos refinados e gorduras adicionadas”, escreveram os pesquisadores.

"O debate que permanece diz respeito a se um sistema de entrega refinado e otimizado de calorias pode produzir efeitos comparativos a um sistema de entrega refinado e otimizado de drogas viciantes”, acrescentaram.

Em 1988, o US Surgeon General emitiu um relatório identificando os produtos de tabaco como viciantes com base em critérios científicos, incluindo sua capacidade de causar uso altamente controlado ou compulsivo, efeitos psicoativos ou de alteração do humor e capacidade de reforçar o comportamento.

O estudo explicou como os HPFs são "substâncias complexas que são psicoativas, altamente reforçadoras, fortemente desejadas e consumidas compulsivamente”, semelhantes aos produtos de tabaco.

"Os alimentos que as pessoas relatam serem mais propensos a consumir de maneira viciante são todos os HPFs que fornecem carboidratos refinados e gorduras adicionadas”, escreveram os pesquisadores, citando chocolate, sorvete, batata frita e pizza como exemplos relevantes.

Veja também:Estudo Links Métodos de Culinária e Saúde

Alimentos ricos em carboidratos refinados sem alto teor de gordura, como cereais matinais, balas de goma e refrigerantes, também estão associados a um fenótipo de dependência alimentar.

Esses alimentos HPF fornecem altas doses de carboidratos e gorduras refinados, que os pesquisadores descreveram como "antinatural” porque dependem "mudanças significativas na matriz alimentar durante o processamento que remove ingredientes que retardariam a taxa de ingestão e absorção (por exemplo, água e fibras).”

Dada a sua densidade de nutrientes e rápida biodisponibilidade, os HPFs ativam o sistema de recompensa natural do corpo através do eixo intestino-cérebro.

Os pesquisadores disseram que a dose exata de HPFs necessária para desencadear um vício é atualmente desconhecida, mas acrescentaram que o mesmo se aplica à nicotina.

"Esta é uma importante área de pesquisa futura que pode ajudar na reformulação dos HPFs para reduzir o potencial viciante”, escreveram.

Segundo os cientistas, outra área de pesquisa que deve ser explorada é o papel desempenhado pelos muitos aditivos alimentares que modificam o sabor, o cheiro, a textura ou a sensação na boca dos alimentos.

Os aditivos podem não desencadear comportamentos viciantes por si mesmos. Ainda assim, os pesquisadores acreditam que eles podem contribuir para o fenótipo alimentar viciante quando consumidos com carboidratos refinados e gorduras adicionadas, à semelhança do que acontece com os aditivos nos produtos de tabaco.

"Os avanços científicos identificaram agora a capacidade dos produtos do tabaco de desencadear fortes impulsos ou desejos como outro indicador importante do potencial de dependência. Aqui, propomos que esses… critérios fornecem referências cientificamente válidas que podem ser usadas para avaliar a dependência dos HPFs”, escreveram os pesquisadores.

Eles concluíram que os HPFs podem atender aos critérios para serem considerados substâncias viciantes se o padrão definido para produtos de tabaco for considerado.

"O potencial viciante dos HPFs pode ser um fator chave que contribui para os altos custos de saúde pública associados a um ambiente alimentar dominado por HPFs baratos, acessíveis e fortemente comercializados”, escreveram os cientistas.

Finalmente, eles enfatizaram como pesquisas anteriores mostraram que "dietas pobres dominadas por HPFs estão contribuindo para mortes evitáveis ​​em um grau comparável aos produtos de tabaco”.


Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões