Mais um ano recorde sugere tendência no Brasil, dizem produtores

Quatorze produtores das maiores regiões produtoras do Brasil se uniram para obter um recorde recorde na 2022 World Olive Oil Competition.

Foto: Azeite Pedregais
Jun. 27, 2022
Por Daniel Dawson
Foto: Azeite Pedregais

Notícias recentes

Parte de nossa continuação cobertura especial do 2022 NYIOOC World Olive Oil Competition.


Para o segundo ano consecutivo, os produtores brasileiros tiveram um ano recorde no NYIOOC World Olive Oil Competition.

Nove produtores do estado do Rio Grande do Sol, quatro do centro-sul montanhoso do estado de Minas Gerais e um da vizinha São Paulo se uniram para ganhar 30 prêmios na maior competição de qualidade de azeite do mundo.

Olive oil proprodução no Brasil é algo novo e ganhar esses prêmios mostra nosso potencial para produzir azeite de qualidade.- Paula Trevisan, proprietária, Origen Trevisan

Os 14 produtores bateram recordes de número de Gold Awards (26), total de prêmios e entradas (35) na competição mundial.

"A quantidade de brasileiros enviando seus azeites para o concurso só mostra a importância dele como ferramenta de marketing para os clientes”, Rafael Marchetti, presidente-executivo da Prosperato, que ganhou quatro Gold Awards, disse Olive Oil Times. "Eles acreditam fortemente nesses resultados como um sinal da real qualidade do azeite. ”

Veja também:Os melhores azeites do Brasil

Sandro Marques, autor de um guia completo aos azeites brasileiros, citou três razões para explicar o sucesso acelerado do país na competição mundial.

Ele acredita que um conhecimento crescente de manejo de pomares, um nível mais alto de especialização entre os moleiros e olivicultores mais profissionais (em oposição aos agricultores que cultivam azeitonas como uma cultura secundária) impulsionaram a ascensão do Brasil em Nova York.

De fato, desde que o Prosperato conquistou o primeiro NYIOOC Em 2017, o número de prêmios conquistados pelos produtores brasileiros tem aumentado a cada ano, com exceção de 2020, quando uma grande seca no Rio Grande do Sul impactou severamente a safra.

competições-produção-américa-do-sul-os-melhores-azeites-mais-um-ano-recorde-sugere-uma-tendência-no-brasil-produtores-dizem-tempos-de-azeite

Rafael Marchetti

A força motriz por trás da maior olive oil proprodutor, Marchetti, atribuiu o sucesso sustentado de Prosperato no NYIOOC à sua década de experiência na produção de azeite e na realização consistente de uma colheita precoce.

"Se não o fizéssemos desta forma, não poderíamos competir com os azeites dos supermercados porque são muito mais baratos e sabemos que os nossos produtos são muito mais caros”, disse. "Então tivemos que fazer diferente, principalmente porque nossa produção é muito pequena e não conseguimos competir em quantidade.”

Como resultado, a qualidade é tudo para Marchetti, que incentiva seus funcionários a colher o mais rápido possível, selecionando apenas as melhores azeitonas para transformar.

"Eu sou o moleiro, então sempre tento pressionar as pessoas em nossa colheita para obter a melhor fruta possível, o mais rápido possível”, acrescentou Marchetti.

Situado quase uniformemente entre os dois olivais da Prosperato, os produtores por trás Azeite Pedregais célebre ganhando dois prêmios de ouro em sua primeira colheita comercial.

competições-produção-américa-do-sul-os-melhores-azeites-mais-um-ano-recorde-sugere-uma-tendência-no-brasil-produtores-dizem-tempos-de-azeite

Foto: Azeite Pedregais

"Apesar da seca que tivemos em nosso estado e região, vimos que a qualidade da fruta estava muito boa”, disse o coproprietário Flavo Fernandes Olive Oil Times. "No primeiro dia de colheita e extração da Arbequina, provámos um azeite muito distinto, o que se confirmou nas semanas seguintes com o Picual.”

Depois que Fernandes e sua equipe provaram os dois monovarietais, eles sabiam que tinham algo especial e queriam saber como eles se comparavam aos melhores do mundo.

"Parecia um pouco ilógico para algumas pessoas, e nos disseram que não tínhamos chance, pois estávamos apenas começando neste mundo de azeite virgem extra", Disse ele. "Mas para alegria da nossa família, ganhamos dois Gold Awards: uma alegria e reconhecimento do trabalho.”

Fernandes atribuiu seu sucesso ao foco no cultivo e colheita de azeitonas de alta qualidade no momento exato para transformar em azeite em vez de produzir grandes quantidades da fruta.

"As frutas foram colhidas no melhor momento para equilibrar o sabor frutado, picante e amargo”, disse ele. "Esperamos por esse momento por algumas semanas – paciência também faz parte olive oil produção. "

competições-produção-américa-do-sul-os-melhores-azeites-mais-um-ano-recorde-sugere-uma-tendência-no-brasil-produtores-dizem-tempos-de-azeite

Foto: Azeite Pedregais

Apesar deste sucesso inicial, Fernandes teme que o Rio Grande do Sol esteja cada vez mais seco e que seja necessário irrigar seus olivais.

"Tivemos uma seca prolongada, que começou na primavera de 2021, por volta de setembro, e durou até o início de março”, disse ele. "Tivemos que irrigar a plantação e corríamos o risco de perda de produção devido ao excesso de calor prolongado.”

"Períodos mais longos de estiagem são rotineiros e precisamos nos preparar melhor para isso”, acrescentou Fernandes. "Acumular água da estação chuvosa é o caminho a percorrer. A irrigação também deve fazer parte da nossa rotina, como vimos nos últimos dois anos.”

Com bosques no Rio Grande do Sol e 1,100 quilômetros a nordeste em Santo Antônio do Pinhal, São Paulo, Bia Pereira, sócia do Azeite Sabiá, concordou que das Alterações Climáticas também foi um desafio significativo para sua empresa.

competições-produção-américa-do-sul-os-melhores-azeites-mais-um-ano-recorde-sugere-uma-tendência-no-brasil-produtores-dizem-tempos-de-azeite

Bia Pereira e Bob Vieira da Costa

"É um grande desafio. Durante o ano, enfrentamos muitos problemas climáticos: vento, chuva e estação seca”, contou. Olive Oil Times. "As dificuldades [em ambos] estão em níveis diferentes, mas semelhantes. Em São Paulo, temos umidade. No sul, a estação seca é boa para as azeitonas, mas também vem com tempestades.”

Apesar destes desafios, Azeite Sabia ganhou um prêmio de ouro para uma blend média no 2022 NYIOOC. Perreira disse que o cuidado que eles têm em cada colheita e como eles moem as azeitonas faz parte do que os diferencia dos demais.

"Durante a colheita, o desafio é ser rápido e não deixar as azeitonas amadurecerem demais”, disse. "Então, usamos todo o nosso conhecimento no lagar para extrair um azeite frutado com amargor e picante equilibrados.”

Pereira acrescentou que ganhar prêmios em duas competições mundiais consecutivas garante aos consumidores que seu produto está no mesmo nível dos melhores.

"Temos muito orgulho do nosso petrazeite. O prêmio é uma confirmação de que estamos fazendo um excelente produto”, disse ela. "Os consumidores ficam muito impressionados com os prêmios e nós vendemos mais.”

Situado logo na divisa de São Paulo, em Minas Gerais, os produtores por trás Orígenes Trevisan comemorou seu primeiro NYIOOC sucesso no primeiro ano de produção.

competições-produção-américa-do-sul-os-melhores-azeites-mais-um-ano-recorde-sugere-uma-tendência-no-brasil-produtores-dizem-tempos-de-azeite

Foto: Orígenes Trevisan

"Como era nossa primeira produção, tínhamos o desafio de entrar no mercado. Ganhar o prêmio abre novas portas para nossa marca”, disse a proprietária Paula Trevisan Olive Oil Times. "Ganhamos atenção especial pelo nosso azeite e pela confiança do nosso mercado consumidor.”

A empresa ganhou um prêmio de ouro para uma blend média na competição.

Trevisan atribui seu sucesso à altitude e aos solos vulcânicos da Serra da Mantiqueira e à atenção cuidadosa de sua equipe aos detalhes nos bosques e no processo de moagem.

"Esta foi a nossa primeira colheita de azeitonas desde o plantio, então todo o processo foi novo. Além disso, foi a primeira extração do nosso petrazeite”, disse.

"Um dos desafios que enfrentamos foi conseguir extrair no mesmo dia da colheita, então tivemos que ter uma boa logística para que a colheita até aquele dia pudesse ser levada no menor tempo possível até a fazenda onde a extração era realizada fora”, acrescentou Trevisan.

Ela concluiu que ganhar esses prêmios continuará a estimular o jovem brasileiro olive oil prosetor de produção para aumentar a quantidade e melhorar a qualidade.

"Olive oil proprodução no Brasil é algo novo e ganhar esses prêmios mostra nosso potencial para produzir azeite de qualidade ”, disse Trevisan. "Este é um incentivo para os produtores aumentarem a produção e novos entrarem no negócio da olivicultura.”


Olive Oil Times Série vídeo
Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões