Produtores espanhóis sofrem perdas, mas olham para a próxima temporada

Novos dados confirmam que a atual campanha espanhola de azeite é a pior do século. Ainda assim, as chuvas no final da temporada alimentam as esperanças para o futuro.

Por Paolo DeAndreis
19 de janeiro de 2023 14:26 UTC

Os últimos dados divulgados pela Agência Andaluza de Informação e Controle Alimentar (AICA) mostram que em dezembro de 2022, em geral, rendimento do azeite caiu pela metade em relação ao mesmo mês de 2021.

Também confirmou que a desaceleração das vendas de azeite está associada à redução da produção e ao aumento dos preços.

Mais especificamente, a AICA informou que 232.037 toneladas de azeite foram produzidos em toda a Espanha em dezembro. Isso é significativamente menor do que as aproximadamente 542.600 toneladas relatadas em dezembro de 2021.

Nos primeiros três meses da temporada 2022/2023, a Espanha produziu 431.090 toneladas de azeite, conforme relatado pela Associação de Jovens Agricultores (ASAJA-Jaén).

Luis Carlos Valero, porta-voz da ASAJA-Jaén, disse isso "a queda na produção está confirmada e isso afetará nossa capacidade de cumprir as metas de armazenamento. Essa redução também está associada a uma desaceleração das vendas [em dezembro] em relação aos meses anteriores.”

Veja também:Desafios são muitos para a Espanha Olive Oil Produtores

Em nota, a União dos Pequenos Agricultores e Pecuaristas (UPA) informou que foram embarcadas 322.720 toneladas de azeite desde o início das vendas da nova safra, em outubro passado. Isso é 16 por cento menos do que na temporada anterior.

Segundo Cristóbal Cano, secretário-geral da Olivicultura e setor de azeite, estamos enfrentando "uma campanha complicada e difícil, afetada pela baixa produção. Em suma, o pior campanha do século”.

Cano destacou que, embora a queda esteja estritamente ligada à queda na produção, "a pequena engenhoca nas vendas não tem nada a ver com o preço do petrazeite.”

Rafael Sánchez de Puerta, presidente do setor de azeite das Cooperativas Agroalimentares da Espanha, observou que, embora preços do azeite cresceram consistentemente ao longo do ano passado, eles podem finalmente ter atingido seu pico e agora devem permanecer estáveis.

A esse respeito, Juan Luis Ávila, secretário-geral da Entidade de Coordenação da Organização Agropecuária (COAG Jaén), observou que "apesar dos aumentos do preço do azeite, olive oil proos custos de produção aumentaram para € 8 por quilo, e isso significa que [o preço do azeite] ainda está abaixo deles.

Olive oil proprodutores há muito lamentam como os custos crescentes de energia, combustível, fertilizantes e plásticos impactam os custos gerais de produção.

Sánchez de Puerta também apontou para a aumento dos custos de produção como um dos principais obstáculos para olive oil proprodutores. Conforme relatado por Agroinformacion, Sánchez de Puerta argumentou que o recente aumento dos preços era esperado quando a produção caiu.

"Se queremos lutar contra o aumento do preço do petrazeite, devemos lutar contra seca no olival e, por exemplo, aumentar a área irrigável”, acrescentou.

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação (MAPA), no final de 2022, produtores, lagares de azeite, engarrafadores e o Património Comunal Olivarero criou 625.667 toneladas de azeite.

Cano observou que a menor produção em dezembro também pode ser atribuída ao chuva frequente, que afetou o número de dias em que os trabalhadores podem colher azeitonas.

"Felizmente, a chuva veio e se instalou. No entanto, as chuvas das últimas semanas não foram suficientes para reverter as más condições dos campos, nem de longe”, disse Cano, aludindo aos efeitos da prolongada seca europeia e ondas de calor na olivicultura.

"Agora esperamos que continue a chover, que daqui até à Primavera venham mais 350 ou 400 litros de água. Caso isso aconteça, poderemos garantir uma safra normal, o que nos ajudará a aumentar a produção para a próxima safra”, acrescentou.

Com a confirmação da queda na produção, produtores identificaram formas consumo de azeite e as necessidades de exportação poderiam ser atendidas. "Esperamos também que a queda NIF de 10 para 5 por cento aprovado pelo Governo e a menor produção vai permitir-nos aumentar o número de consumidores”, concluiu Cano.



Artigos Relacionados

Feedback / sugestões