Pesquisa: 55% dos consumidores preferem opções alimentares sustentáveis

Os consumidores nos países em desenvolvimento mostraram o aumento mais rápido de alimentos feitos de forma sustentável. Os países desenvolvidos tiveram ganhos mais modestos.

Fevereiro 16, 2022
Por Paolo DeAndreis

Notícias recentes

O último consumidor pesquisa da Cargill, uma das maiores empresas de serviços agrícolas e produção de alimentos do mundo, demonstra que os consumidores estão cada vez mais conscientes da sustentabilidade ao fazer compras de alimentos.

A última Pesquisa FATitudes foi realizada com 6,000 compradores em 11 países. Cinquenta e cinco por cento dos consumidores entrevistados disseram que são mais propensos a comprar um item específico se vem com uma declaração de sustentabilidade, acima dos 51% em 2019.

Nossas últimas descobertas demonstram claramente que as mensagens em torno da sustentabilidade estão causando impacto nos consumidores.- Nese Tagma, diretor administrativo de estratégia e inovação da Cargill

Mesmo em países onde os consumidores estão menos interessados ​​em sustentabilidade, os números estão crescendo.

Nos Estados Unidos, a pesquisa informou que 37% dos americanos consideram a sustentabilidade em seu processo de seleção de alimentos, um aumento de seis por cento em comparação com 2019.

Veja também:Novas políticas agrícolas sustentáveis ​​da Europa tornarão os alimentos ainda mais caros, alertam agricultores

Outros países, como Brasil e México, relataram um aumento de 13% no mesmo período, com 74% dos consumidores brasileiros e 66% dos consumidores mexicanos interessados ​​no perfil de sustentabilidade dos alimentos que escolhem.

A Índia também viu esse número crescer para 67% (um aumento de 11%). Enquanto isso, o Reino Unido viu o interesse na sustentabilidade alimentar aumentar para 51%, um aumento de -%.

Anúncios

A Cargill, que é uma grande produtora de azeite de palma, enfatizou como a pesquisa perguntou aos consumidores que tipo de alegação de sustentabilidade eles esperariam pela primeira vez.

Os principais resultados foram para reivindicações como "de origem sustentável” e "conservação dos recursos naturais”. De acordo com a Cargill, eles se saíram bem à frente de marcas conhecidas como "Comércio Justo” ou "embalagem reduzida.”

"Nossas últimas descobertas demonstram claramente que as mensagens em torno da sustentabilidade estão causando impacto nos consumidores”, disse Nese Tagma, diretor administrativo de estratégia e inovação do negócio global de azeites comestíveis da Cargill. "Insights como esses ajudam a orientar nossa abordagem de inovação focada no consumidor, permitindo-nos fazer parcerias com clientes para co-criar novos produtos e soluções que refletem as tendências atuais do consumidor e as preferências de ingredientes.”

Em comunicado à imprensa, a Cargill destacou a relevância da "programas de agricultura regenerativa para sementes oleaginosas em linha para azeite de palma certificados como de origem responsável pela Mesa Redonda sobre Óleo de Palma Sustentável”.

O mercado de azeite de palma vem se expandindo constantemente ao longo do tempo. De acordo com dados do Departamento de Agricultura dos EUA, 75,503 toneladas de azeite de palma foram produzidas em 2021. Indonésia (59%) e Malásia (25%) são de longe os maiores produtores.

A importância da sustentabilidade para o futuro do mercado de azeite de palma é enorme. Recentemente, a União Europeia anunciou novas regras para azeite comestível, que exigirá certificações de sustentabilidade para os produtos a serem importados dentro do bloco de 27 membros.

Em outros países, como Sri Lanka, o governo tem importações proibidas e pediu aos agricultores que desarraigassem suas plantações de palmeiras, pois elas são vistas como causa do desmatamento.

Referindo-se aos resultados da pesquisa, Florian Schattenmann, diretor de tecnologia e vice-presidente de inovação e pesquisa e desenvolvimento da Cargill, observou como "esses insights confirmam ainda mais nosso compromisso de incorporar práticas sustentáveis ​​em todos os aspectos de nossas operações.”

"Isso inclui tudo, desde nossas práticas de fornecimento até instalações de processamento e até mesmo se estende ao desenvolvimento de novos produtos, onde as decisões de comercializar inovações agora consideram a sustentabilidade ao lado de desempenho e custo”, concluiu.



Olive Oil Times Série vídeo

Advertisement

Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões