Relatório da COP27: Nações em desenvolvimento precisam de US$ 1 trilhão por ano para combater a mudança climática

O financiamento combinado de fontes nacionais e internacionais necessárias para mitigar os efeitos das mudanças climáticas nos países menos desenvolvidos deve exceder US$ 2 trilhões até 2030.
Novembro 18, 2022
Costas Vasilopoulos

Notícias recentes

Um relatório divulgado antes da cúpula do clima COP27 em Sharm El-Sheik, no Egito, constatou que os países em desenvolvimento precisarão garantir US$ 1 trilhão por ano em financiamento externo para reduzir as emissões, aumentar sua resiliência e restaurar a natureza e os danos à terra causados ​​por das Alterações Climáticas até o final da década.

Justiça significa que os países que causaram o aquecimento global devem pagar. Eles devem assumir a responsabilidade.- Sherry Rehman, ministra de mudanças climáticas do Paquistão

"O mundo precisa de um avanço e de um novo roteiro para financiamento climático que possa mobilizar US$ 1 trilhão em financiamento externo que será necessário até 2030 para mercados emergentes e países em desenvolvimento além da China”, afirmou o relatório.

O relatório, encomendado conjuntamente pelos governos do Egito e do Reino Unido, os anfitriões atuais e anteriores da cúpula do clima, sugere que os países em desenvolvimento e os mercados emergentes colaborem com os países desenvolvidos e instituições multilaterais para arrecadar o US$ 1 trilhão necessário anualmente.

Veja também:Temperaturas sobem mais rápido na Europa do que em qualquer outro lugar, segundo relatório

"Desbloquear financiamento climático substancial é a chave para resolver os desafios de desenvolvimento atuais”, disse Vera Songwe, uma das autoras do relatório. "Isso significa que os países devem ter acesso a financiamento acessível e sustentável de baixo custo dos bancos multilaterais de desenvolvimento para ajudar a atrair investimentos do setor privado e da filantropia”.

Devem ser seguidas etapas específicas para desbloquear o investimento necessário, incluindo a preparação rápida de projetos de investimento, expansão do escopo do financiamento concessional e resolução dos problemas de dívida e liquidez que os países em desenvolvimento enfrentam.

Anúncios

O relatório estimou ainda que os países em desenvolvimento deveriam equiparar o US$ 1 trilhão de fontes externas com seus próprios fundos para garantir uma quantia de mais de US$ 2 trilhões anualmente.

Também esclareceu que US$ 1 trilhão em financiamento externo é separado dos US$ 100 bilhões por ano que os países ricos se comprometeram a fornecer a partir de 2020 para apoiar os países menos ricos em combatendo os efeitos das mudanças climáticas. No entanto, as nações ricas do planeta não cumpriram as promessas de US$ 100 bilhões.

Enquanto isso, alocando fundos para os países mais pobres para combater a mudança climática tem sido motivo de discórdia na COP27, com os países menos desenvolvidos alegando que os países ricos devem assumir grande parte da pressão das mudanças climáticas.

"Temos que dar a volta ao mundo pedindo esmola por algo que é nosso direito”, disse Sherry Rehman, ministra de Mudanças Climáticas do Paquistão. "Justiça significa que os países que causaram o aquecimento global devem pagar. Eles devem assumir a responsabilidade.”



Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões