Calor e Seca Causando Mortes Florestais Globalmente

As florestas desempenham um papel vital na estabilização do clima, regulando os ecossistemas e protegendo a biodiversidade, mas o aumento das temperaturas e o clima mais seco as colocam em risco.

Abril 25, 2022
Por Paolo DeAndreis

Notícias recentes

Novas pesquisas indicam que temperaturas globais crescentes e assim períodos prolongados de seca estão causando eventos de extinção de florestas em todo o mundo.

Uma equipe de cientistas internacionais examinou a extinção de florestas em 675 locais desde 1970.

O que descobrimos foi que, em escala global, havia esse padrão consistentemente mais quente e seco… que pode nos mostrar o quão incomumente quente ou seco deve ser para que as florestas estejam em risco de morte.- William Hammond, ecofisiologista de plantas, Universidade da Flórida

Ao analisar esses episódios e compará-los com os dados climáticos existentes, os cientistas conseguiram identificar as condições locais de temperatura e seca que determinaram os eventos de mortalidade das árvores. Foi então criada uma base de dados global georreferenciada.

Na série estudo publicado em Natureza das Comunicações, os pesquisadores disseram que há uma falta de dados sobre como os ecossistemas florestais sobreviverão ao aumento das temperaturas médias associadas aos efeitos antropogênicos. das Alterações Climáticas.

Veja também:Incêndios florestais estão se tornando mais frequentes e intensos globalmente, descobrem pesquisadores

"Falta a determinação quantitativa de comunalidade em anomalias climáticas associadas a pulsos de mortalidade de árvores... necessária para entender o papel de eventos climáticos extremos nos padrões globais de morte de árvores”, escreveram os cientistas.

A morte generalizada de árvores pode ser excepcionalmente prejudicial aos esforços globais para mitigar os impactos das mudanças climáticas.

Anúncios

O último estado das florestas do mundo Denunciar pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente disse que esses ecossistemas únicos cobrem apenas 30% da área terrestre global, mas abrigam a grande maioria das plantas terrestres e espécies animais.

As florestas desempenham um papel vital na estabilização do clima, regulando os ecossistemas e protegendo a biodiversidade. Além de apoiar a subsistência de grandes populações, os pesquisadores enfatizaram como as florestas são compostas por mais de 60,000 espécies de árvores, armazenam quase metade do carbono terrestre e sequestram até um terço das emissões anuais de carbono antropogênico.

De acordo com Conselho Azeitona Internacional, "um hectare de oliveiras anula a pegada de carbono anual de uma pessoa.”

"Nossa análise quantifica uma 'impressão digital da seca mais quente' desses locais de mortalidade de árvores, efetivamente um sinal climático mais quente e seco para a mortalidade de árvores, em 675 locais, abrangendo 1,303 parcelas”, escreveram os pesquisadores.

"A frequência dessas condições climáticas observadas no ano de mortalidade aumenta fortemente de forma não linear sob o aquecimento projetado”, acrescentaram. "Nosso banco de dados também fornece a base inicial para um monitoramento mais desenvolvido da comunidade, quantitativo e baseado em terra da mortalidade global de árvores.”

"O que descobrimos foi que, em escala global, havia esse padrão consistentemente mais quente e seco… ecofisiologista da Universidade da Flórida, acrescentou em uma nota.

Os cientistas enfatizaram como o aumento das temperaturas ameaça as florestas de várias maneiras, incluindo a amplificação da seca atmosférica, intensificando a seca do solo e causando estresse térmico às plantas. À medida que a temperatura aumenta, solos e árvores perdem água mais rapidamente.

Um ambiente mais quente também pode desencadear eventos letais de maneiras inesperadas, de acordo com Cuauhtémoc Sáenz-Romero, coautor e pesquisador da Universidad Michoacana de San Nicolás de Hidalgo, no México.

"Nos últimos anos, a estação seca e quente de março a maio está ainda mais seca do que o normal, mas também mais quente do que nunca”, disse ele. "Essa combinação está induzindo muito estresse nas árvores antes da chegada da próxima estação chuvosa de junho a outubro.”

"Por exemplo, em 2021, mais de 8,000 árvores adultas foram mortas por besouros na Reserva da Biosfera da Borboleta Monarca, no centro do México”, acrescentou Sáenz-Romero. "A efeito da La Niña A corrente do Oceano Pacífico resultou em condições mais secas e quentes; uma combinação mortal que favoreceu surtos de pragas.”

Segundo os pesquisadores, o estudo mostra uma aceleração geral das condições climáticas destrutivas destinadas a piorar com o tempo, à medida que as temperaturas continuam subindo.

"As florestas históricas da Terra, em particular, enfrentam um futuro desafiador, incluindo mudanças dramáticas na extensão, composição, idade e estrutura dessas florestas únicas e insubstituíveis, com consequências em escala planetária para a biodiversidade e a ciclagem de água e carbono”, escreveram os autores.

Em suas conclusões, os cientistas enfatizaram como as florestas são essenciais nos esforços para mitigar os impactos da crise climática. No entanto, sua capacidade de se manter como sumidouros de carbono está estritamente relacionada à sua capacidade de sobrevivência.

"As plantas fazem um trabalho fenomenal capturando e sequestrando carbono”, disse Hammond. "Mas a morte das plantas não apenas impede que elas desempenhem esse papel crítico de captura de carbono, as plantas também começam a liberar carbono à medida que se decompõem”.

"Nossas descobertas mostram que limitar o aquecimento a 2 ºC acima dos níveis pré-industriais pode reduzir a frequência dessas condições climáticas associadas a eventos de mortalidade de árvores observados para menos da metade do previsto a 4 ºC”, escreveram os pesquisadores.

"Esforços para proteger o clima do mundo do aquecimento excessivo provavelmente serão decisivos para determinar a persistência futura de muitas das florestas da Terra”, acrescentaram.

A base de dados composta pelos pesquisadores já está disponível no site Site da Rede Internacional de Mortalidade de Árvores, onde os cientistas colaboradores também podem adicionar dados para fornecer uma imagem maior e uma compreensão mais ampla dos eventos de extinção da floresta.



Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões