Países mais pobres buscam alívio da dívida, citando custos das mudanças climáticas

Conhecido como Vulnerable Twenty Group, os 58 membros pediram às nações mais ricas que perdoassem suas dívidas e investissem em esforços de mitigação das mudanças climáticas.

Novembro 2, 2022
Por Paolo DeAndreis

Notícias recentes

Os representantes de quase 60 países das nações mais vulnerável aos efeitos das mudanças climáticas avisaram que "perdas” e "danos” causados ​​pelo aquecimento do planeta superam em muito suas dívidas com os países mais ricos. A reestruturação da dívida global, disseram eles, é crucial para enfrentar a crise crescente.

Antes da COP27 da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de novembro, eles apontaram que seus países sofreram US$ 525 bilhões em danos devido à efeitos da mudança climática nos últimos 20 anos.

A mudança climática já eliminou um quinto de nossa riqueza. Em outras palavras, as economias V20 seriam 20% mais ricas hoje se não estivéssemos sofrendo o preço diário das perdas e danos climáticos.- Mohamad Nasheed, ex-presidente das Maldivas

Em nota publicada no final da última reunião do Grupo dos Vinte Vulneráveis, os delegados pediram aos países ricos e credores que aderissem "a entrega de US$ 100 bilhões por ano” aos países vulneráveis.

Representantes da V20 disseram que os fundos são "proporcional à natureza emergencial das consequências do colapso climático global”.

Veja também:Cobertura climática

Grande parte da população mundial vive em países que são os menos responsáveis ​​por emissões globais de gases de efeito estufa. No entanto, muitos desses países também suportaram o impacto das mudanças climáticas alimentadas pelas emissões de gases de efeito estufa.

Fundado em 2015, o Grupo V20 é composto por 58 membros, onde vivem aproximadamente 1.5 bilhão de pessoas. Os países produzem apenas cerca de 5% das emissões globais de gases de efeito estufa.

Anúncios

Como resultado, o V20 discutiu a possibilidade de suspender o pagamento de 435 bilhões de euros em dívidas aos países mais ricos. O V20 também pediu ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional que perdoassem pelo menos metade de sua dívida, usando os fundos para preservar a natureza. Só o Banco Mundial responde por 20% das dívidas nacionais dos países V20.

"Como gerentes econômicos, está claro para nós há muito tempo que a mudança climática não é um desafio distante”, disse Ken Ofori-Atta, ministro das Finanças de Gana e atual presidente do V20, no discurso.

"Ele incendiou não só muitas das florestas do mundo mas também nossos frágeis orçamentos nacionais”, acrescentou. "A mudança climática está simplesmente agravando o estresse fiscal existente e cada vez mais agudo”.

"A arquitetura financeira internacional deve se adequar ao clima e às nossas ambições de desenvolvimento, e deve apoiar e não prejudicar as mudanças transformacionais necessárias na economia real para nossa prosperidade comum”, continuou Ofori-Atta.

David Theis, porta-voz do Grupo Banco Mundial, confirmou que a instituição reconhece quantos países pobres e insulares estão lidando com a gravidade da crise climática.

Acrescentou que os bancos "comprometidos com soluções abrangentes de dívida que tragam benefícios reais para as pessoas em países pobres, particularmente países com altas vulnerabilidades de dívida que carecem de recursos financeiros para lidar com os desafios que enfrentam.”

Mohamad Nasheed, ex-presidente das Maldivas, disse ao New York Times que reembolsar a enorme dívida seria um "injustiça."

"Estamos vivendo não apenas de dinheiro emprestado, mas de tempo emprestado”, disse ele. "Estamos sob ameaça e devemos coletivamente encontrar uma saída para isso.”

As Maldivas, que já começaram a sofrer os impactos do aumento do nível do mar associado ao derretimento das calotas polares como resultado das mudanças climáticas, estavam entre os muitos estados insulares que denunciaram a falta de ação global no evento.

Vanuatu, Samoa, Fiji e Palau estão entre os muitos outros membros do V20 que compartilham a mesma urgência e lamentam a inação substancial das nações mais ricas.

Veja também:Um plano para descarbonizar a Europa

"A mudança climática já eliminou um quinto de nossa riqueza”, disse Nasheed. "Em outras palavras, as economias V20 seriam 20% mais ricas hoje se não estivéssemos sofrendo o preço diário das perdas e danos climáticos.”

"Em termos agregados de dólares, isso representa meio trilhão em perdas. E para os países de maior risco, as perdas econômicas excedem a metade de todo o crescimento desde 2000”, acrescentou. "Para as economias V20 mais em risco, a perda excede o crescimento total.”

"Estamos sofrendo perdas e danos da emergência climática todos os dias e, no entanto, contribuímos menos para as emissões”, continuou Nasheed.

Desde a reunião da COP21 em Glasgow, como lidar com os custos desproporcionais dos danos causados ​​por eventos climáticos extremos relacionadas com as alterações climáticas tem sido amplamente discutida, sem que se tenham chegado a acordos concretos.

Uma das razões para a falta de consenso é que os países mais ricos temem que a compensação possa estar associada à responsabilidade dos produtores de maior cota de emissões de gases de efeito estufa.

"Perdas e danos é uma expressão que indica o impacto das mudanças climáticas causadas pelo homem, atingindo pessoas em todo o mundo”, Saleemul Huq, diretor do Centro Internacional para Mudanças Climáticas e Desenvolvimento, disse ao Climate Brief.

"Danos referem-se a coisas que podem ser restauradas, como casas danificadas, enquanto perdas referem-se ao que está completamente perdido e nunca mais voltará, como a vida humana”, acrescentou.

Ao final da reunião, o V20 expressou "grave preocupação com o fracasso do G7 e do G20 em alinhar suas políticas com os objetivos do Acordo de Paris, expondo ainda mais as cinquenta e oito (58) economias do V20 a riscos múltiplos e em cascata agora e no futuro”.



Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões