Exportações de azeite de oliva devem exceder 1 milhão de toneladas até 2030, previsões da UE

Apesar das notícias comerciais positivas, as mudanças climáticas e o declínio do consumo apresentam desafios para o setor na próxima década.
Dezembro 15, 2021
Paolo De Andreis

Notícias recentes

De acordo com o responsável pelo setor do azeite da Comissão Europeia, os dados finais de produção e comércio da União Europeia para a safra 2020/21 confirmam uma tendência crescente.

Gabriel Vigil disse a um reunião do Conselho Oleícola Internacional que as exportações, que alcançaram 634,000 mil toneladas em 2020/21, estão destinadas a acelerar. Ele acrescentou que a UE produziu 2.05 toneladas de azeite na safra anterior.

De acordo com as últimas estimativas da UE, o comércio internacional de azeite não vai parar de crescer até pelo menos 2030.

Veja também:Notícias do Comércio de Azeite

Especialistas da UE disseram que as exportações de azeite crescerão tanto nos mercados existentes quanto nos novos, devido à crescente popularidade do azeite virgem extra e do Dieta mediterrânea. Entre 2022 e 2030, as exportações de azeite da UE são estimadas em mais de um milhão de toneladas, quase 40% acima da média de cinco anos (717,900 toneladas).

Ao falar na conferência do COI em Tbilisi, Geórgia, Vigil explicou como o crescimento das importações de azeite de oliva na UE se estabilizará a partir da próxima temporada, enquanto a produção deve chegar a quase 2.5 milhões de toneladas em 2030.

Anúncios

Vigil observou que menos de seis milhões de hectares dentro da UE são dedicados à olivicultura, e este número provavelmente não aumentará muito nos próximos anos.

Ele atribuiu isso à competição vinda de outras culturas e aos desafios relacionados à Disponibilidade de água. Ainda assim, acrescentou Vigil, a participação dos olivais irrigados está aumentando de forma constante, confirmando a crescente relevância da alta densidade e super-alta densidade olivais no futuro da produção.

à medida que o tendência para o moderno a olivicultura continua, espera-se que a olivicultura na UE seja cada vez mais orgânico com a capacidade de antecipar a colheita e reduzir as pragas e patógenos enquanto aumenta a qualidade.

Espera-se que a Espanha e a Itália continuem a ser os países produtores mais relevantes da UE, mas Vigil acrescentou que Portugal deverá ver o maiores aumentos de produção, um aumento de três por cento até 2030 em comparação com 2019.

Embora se espere que a UE entregue 2.92 milhões dos 3.11 milhões de toneladas de azeite que devem ser produzidos globalmente em 2021/22, o estado de 27 membros também está vendo seu consumo de azeite lento

Segundo a Vigil, o consumo caiu de 1.79 milhão de toneladas em 2011/12 para 1.46 milhão de toneladas previstas para a safra atual.

Ele alertou que o futuro do comércio mundial de azeite está ligado à capacidade do setor de superar sérios desafios como das Alterações Climáticas e o papel crescente de países não pertencentes à UE olive oil produtores, incluindo Tunísia, Egito e Turquia.

No entanto, Vigil concluiu que as oportunidades residem na mudança do comportamento do consumidor global, cada vez mais favorável ao azeite.



Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões