Os impactos negativos na saúde de alimentos ultraprocessados ​​vão além de seus perfis nutricionais, dizem pesquisadores

Dois grandes estudos nos Estados Unidos e na Itália ligam a morte prematura e o câncer colorretal ao consumo de alimentos altamente processados.
Setembro 9, 2022
Paolo De Andreis

Notícias recentes

O impacto do consumo de alimentos ultraprocessados ​​na saúde humana pode ser mais significativo do que as qualidades nutricionais dos alimentos.

De acordo com o nova pesquisa na Itália, as classificações de alimentos atualmente usadas para rótulos de alimentos embalados podem perder o foco, concentrando-se principalmente no perfil nutricional de alimentos processados.

As pessoas devem deixar de focar apenas no perfil nutricional dos alimentos. Eles precisam começar a explorar o grau de processamento dos alimentos que compram.- Marialaura Bonaccio, epidemiologista sênior, Instituto Italiano de Neurologia Mediterrânea

O trabalho de pesquisa publicado pelo Journal of the British Medical Association (BMJ) descobriu que o consumo significativo de alimentos ultraprocessados ​​leva a maiores riscos de mortalidade por várias causas. No entanto, o perfil nutricional desses alimentos não impacta nesses riscos.

A mesma edição do BMJ também contou com pesquisa americana demonstrando uma ligação entre o alto consumo de alimentos ultraprocessados ​​e câncer colorretal, com diferenças significativas no impacto entre homens e mulheres.

Veja também:Notícias de Saúde

Investigando os resultados de seu estudo de 15 anos em mais de 20,000 indivíduos, os pesquisadores italianos testaram os efeitos do consumo de alimentos ultraprocessados, classificados como tal pelas classificações NOVA, além de considerar sua classificação nutricional do Food Standards Agency Nutrient Profiling System ( FSAm-NPS).

O NOVA foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade de São Paulo no Brasil. De acordo com um artigo da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação de 2019, as definições da NOVA de alimentos ultraprocessados ​​são as mais aplicadas na literatura científica.

Anúncios

O FSAm-NPS, por outro lado, é atualmente usado para classificar alimentos por sistemas relevantes de rotulagem na frente da embalagem, como o francês nascido pontuação Nutri.

"Sentimos a necessidade de ver se o Nutri-Score poderia realmente ajudar a melhorar a saúde pública, já que a Comissão Europeia está atualmente considerando sua introdução como um Sistema de classificação alimentar obrigatório em toda a UE”, disse Marialaura Bonaccio, epidemiologista sênior do Instituto Neurológico do Mediterrâneo Italiano e coautora do estudo. Olive Oil Times.

"Nos últimos 10 anos, a pesquisa foi além do foco na composição nutricional dos alimentos”, acrescentou. "Graças ao trabalho de Carlos Monteiro e outros, a pesquisa começou a focar em como os alimentos são transformados e manipulados.”

De acordo com os pesquisadores, tanto o FSAm-NPS quanto o NOVA atingem suas metas de classificação de alimentos quando aplicados individualmente aos alimentos. Os resultados mudam, porém, quando os dois índices são considerados em conjunto.

"Ambos os sistemas preveem corretamente os riscos à saúde”, disse Bonaccio. "Se você escolhe constantemente alimentos classificados como inadequados pelo Nutri-Score, você se expõe a maiores riscos de incorrer em doenças relevantes. O mesmo vale para a NOVA, que também está associada a risco de doença coronariana. "

"Quando são considerados em conjunto, porém, os riscos associados ao Nutri-Score são reduzidos pelo sistema NOVA, e isso nos diz que não estamos vendo o impacto de uma dieta pobre em nutrientes, mas o impacto dos alimentos ultraprocessados”, acrescentou. . "Mais de 80 por cento dos alimentos que o Nutri-Score classifica como alimentos de baixa qualidade são ultraprocessados.”

No estudo, os autores escreveram que "uma proporção significativa do maior risco de mortalidade associado a uma ingestão elevada de alimentos pobres em nutrientes foi explicada por um alto grau de processamento de alimentos. Em contrapartida, a relação entre alta ingestão de alimentos ultraprocessados ​​e mortalidade não foi explicada pela má qualidade desses alimentos.”

O sistema NOVA normalmente define alimentos ultraprocessados ​​como alimentos com cinco ou mais ingredientes normalmente não encontrados em uma casa. Essas substâncias, como aditivos e intensificadores, fazem parte dos métodos de ultraprocessamento, pois derivam do processamento posterior de componentes alimentares.

"A definição de ultraprocesso é crucial porque não é unívoca. É principalmente bom senso”, disse Bonaccio. "Se eu assar uma torta em casa, posso usar muitos ingredientes simples, como farinha, ovos ou leite. E o resultado pode depender do equilíbrio correto entre esses ingredientes.”

"Mas quando, além disso, uso aditivos alimentares, a torta começa a se tornar um alimento ultraprocessado”, acrescentou. "É por isso que a definição não é totalmente inequívoca. Por exemplo, se em um supermercado você vê um iogurte à base de frutas cuja embalagem apresenta cinco linhas de ingredientes, pode ser o suficiente para identificar um alimento ultraprocessado.”

A indústria alimentícia geralmente utiliza aditivos para dar cores específicas aos alimentos e adoçá-los ou conservá-los. Outros aditivos cobrem muitas funções, como realçar sabores, suprimir fungos, inibir características particulares do alimento ou higienizar o próprio alimento.

"O processamento de alimentos pode desempenhar um papel na saúde além de sua composição nutricional, por meio de uma variedade de mecanismos desencadeados por componentes não nutricionais, como aditivos cosméticos, materiais de contato com alimentos, compostos neoformados e degradação da matriz alimentar”, escreveram os pesquisadores. .

"Os riscos à saúde que encontramos em nosso estudo estão relacionados ao consumo significativo de alimentos ultraprocessados”, acrescentou Bonaccio. "Portanto, a sugestão aqui não é abolir esse tipo de alimento, mas limitar sua ingestão. As pessoas devem deixar de focar apenas no perfil nutricional dos alimentos. Eles precisam começar a explorar o grau de processamento dos alimentos que compram.”

Veja também:Rótulo Nutri-Score atualizado indica se o alimento é orgânico e processado

Ela recomenda que um método adequado para limitar os alimentos ultraprocessados ​​seja passar mais tempo na cozinha e seguir o conselho do jornalista e escritor de alimentos Michael Pollan de não comer nenhum alimento que sua avó não reconheceria como comida.

"Sua avó não saberia o que são substâncias como a maltodextrina. Isso significa que cozinhar deve ficar o mais próximo possível da origem dos alimentos e longe da manipulação de alimentos”, disse Bonaccio, citando um carboidrato ultraprocessado amplamente utilizado.

Em editorial conjunto sobre os dois estudos publicados pelo BMJ, Carlos A. Monteiro, professor de nutrição em saúde pública da Universidade de São Paulo e Geoffrey Cannon, pesquisador sênior, alertaram que "reformular alimentos ultraprocessados ​​por métodos como a substituição do açúcar por adoçantes artificiais ou gordura por amidos modificados e adição de fibras extrínsecas, vitaminas e minerais, não é solução.”

"Alimentos ultraprocessados ​​reformulados seriam especialmente problemáticos se promovidos como 'premier' ou 'produtos saudáveis”, acrescentaram. "Eles permaneceriam parcialmente, principalmente ou apenas formulações de produtos químicos”.

Após o estudo, os pesquisadores italianos alertaram contra a adoção de qualquer sistema de rotulagem de alimentos baseado principalmente nos aspectos nutricionais dos alimentos.

"Dentro do Nutri-Score, por exemplo, você pode encontrar alimentos altamente refinados e processados ​​que atingem uma pontuação boa e aparentemente saudável”, disse Bonaccio. "Isso acontece porque eles podem ter baixo teor de sal, açúcar ou gorduras. Mas isso não significa que eles devem ser considerados um alimento saudável.”

Um exemplo disso são os refrigerantes sem açúcar adoçados artificialmente, que atingem pontuações saudáveis, "mesmo quando não são alimentos, mas apenas uma formulação química”, acrescentou Bonaccio.

Ela observou que a ingestão de alimentos ultraprocessados ​​está crescendo globalmente. "Nos Estados Unidos e no Reino Unido, os dados mais recentes mostram que 60% das calorias diárias, em média, vêm desse tipo de alimento. Ainda estamos com 20% na Itália, mas essa é a tendência aqui também.”

Enquanto os mais recentes estudos americanos e italianos juntam-se ao crescente literatura sobre os efeitos na saúde do consumo de alimentos ultraprocessados, ainda não está claro quais são as razões para tais consequências negativas para a saúde.

"Devemos investigar o mecanismo interno”, disse Bonaccio. "Sendo agora capazes de deixar de lado os aspectos nutricionais dos alimentos de baixa qualidade, ainda temos que entender o que desencadeia essas reações prejudiciais.”

Pesquisadores em vários países estão trabalhando em várias hipóteses, investigando o impacto de alterações na matriz alimentar ou a destruição de fitoquímicos e outras substâncias.

Outras pesquisas estão focadas no impacto da separação e reagregação de alimentos no microbioma e na resposta à insulina ou na exposição ao plástico devido à embalagem da maioria dos produtos.

"Cada uma dessas condições pode ser um gatilho para processos fisiopatológicos”, disse Bonaccio. "Atualmente, estamos trabalhando na via inflamatória, pois esses aspectos podem exercer um papel no aumento dos níveis de inflamação”.

"A Dieta mediterrânea ilumina o caminho”, concluiu. "O MedDiet não é apenas frutas, legumes, uma ingestão leve de vinho e azeite; é principalmente uma dieta de alimentos não processados. Devemos sempre lembrar que vem da tradição dos agricultores feitos com alimentos crus ou levemente processados ​​e o uso de técnicas mínimas.”



Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões