`Teste para detectar explosivos também encontra azeite de oliva estragado - Olive Oil Times

Teste para detectar explosivos também encontra mau azeite

Por Naomi Tupper
26 de janeiro de 2020 09:15 UTC


Foto: waters.com

Pesquisadores da Universidade de Córdoba provaram que a espectrometria de mobilidade de íons, a técnica analítica mais comumente usada para detectar explosivos e drogas em aeroportos, também é eficaz na identificação de azeite fraudulento.

O azeite de oliva falsamente rotulado como virgem extra é um grande problema no setor do azeite, sem nenhum método analítico eficaz para identificar e revelar fraudes. As análises atuais para determinar se um azeite de oliva é de fato virgem extra baseiam-se na avaliação sensorial em conjunto com uma série de testes analíticos, sem nenhum teste considerado totalmente eficaz para detecção.

Os testes químicos atuais, incluindo a determinação da acidez livre, valor de peróxido, teor de ceras, ácidos graxos, esterol e composição de triglicerídeos, geralmente são ineficazes na detecção de azeites adulterados. Estes azeites são tipicamente blenddos com azeites de qualidade inferior que foram desodorizados quimicamente, dificultando sua identificação.

As diretrizes federais para alimentos e medicamentos afirmam que, para ser rotulado como virgem extra, o azeite deve ser de baixa acidez, composto inteiramente de azeite de azeitona e ser prensado a frio. O azeite também deve passar por uma série de testes químicos e sensoriais.

A aplicação da espectrometria de mobilidade iônica, usada para identificar explosivos em aeroportos e uso militar, está atualmente sendo investigada para uso em uma ampla variedade de áreas nos setores de agricultura e alimentos. Pensa-se que a técnica tem potencial para determinar a frescura dos peixes, distinguindo entre vinhos brancos e proporcionando uma determinação mais precisa do azeite como virgem extra.

A técnica foi proposta para uso como sistema de peneiramento quando aplicada ao setor oleícola para permitir uma análise rápida, fácil e econômica de amostras de azeite para determinar sua categoria. O processo envolve o aquecimento de um grama de azeite em um frasco a 60 graus Celsius e a geração de compostos voláteis, que podem ser separados por tamanho, carga e massa. Estes são analisados ​​para produzir um espectro, que pode ser interpretado para determinar se o azeite é extravirgem ou não.

Com todo o processo demorando cerca de quinze minutos por amostra, a nova abordagem para identificação é significativamente mais rápida que os métodos atuais, que podem levar cerca de oito horas. Essa economia de tempo, juntamente com a falta de necessidade de pré-tratamento de amostras e a confiabilidade percentual da técnica 90, podem torná-la uma opção atraente para ajudar com a questão da fraude no setor.



Artigos Relacionados

Feedback / sugestões