A evolução da luta na Europa contra a Xylella Fastidiosa

A detecção precoce em toda a União Europeia continua na vanguarda da luta contra a bactéria, uma vez que as autoridades estão esperançosas em relação a novas investigações, métodos e ferramentas.

Apúlia, Itália (AP)
Por Paolo DeAndreis
6 de setembro de 2023 12:26 UTC
744
Apúlia, Itália (AP)

O clima extremo afetou fortemente os olivicultores no sul da Itália. Nos últimos dias, tempestades de granizo repentinas e violentas atingiram os olivais de Salento, na região de Puglia.

Segundo a organização de agricultores Coldiretti, aproximadamente 40 por cento das azeitonas da atual temporada foram perdidas na área.

A Xylella é um fenómeno global, não apenas europeu. Graças aos avanços na investigação científica… estamos a ver progressos significativos.- Giuseppe Stancanelli, avaliador de risco fitossanitário, EFSA

Na última década, as fazendas de oliveiras ao redor do Salento foram devastadas por Xylella fastidiosa. Novos olivais na área são plantados com Leccino e Favolosa, as duas cultivares de oliveira que apresentam significativa resistência à bactéria.

"Novas oliveiras resistentes precisam de três ou quatro anos para produzir azeitonas”, escreveu Coldrietti. "E agora que alguns olivicultores podem voltar a colher os frutos após dez anos de epidemia, lá vamos nós com mais uma perda devido a eventos extremos como granizo, tornados e aguaceiros.

Veja também:Exposição de arte reflete sobre o impacto devastador da Xylella

A situação desafiadora na Apúlia esteve entre os pontos focais da Quarta Conferência Europeia sobre Xylella, organizada pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA).

Xylella fastidiosa

Xylella fastidiosa é uma bactéria gram-negativa conhecida por causar uma variedade de doenças em plantas. É um patógeno que afeta principalmente o xilema, tecido vegetal responsável pelo transporte de água e nutrientes das raízes para outras partes da planta. Xylella fastidiosa é uma preocupação significativa na agricultura e silvicultura porque pode infectar uma ampla gama de espécies de plantas, levando a perdas económicas e danos ambientais.

Essa bactéria é transmitida por insetos vetores, como cigarrinhas e cigarrinhas, que se alimentam da seiva das plantas. Quando esses insetos se alimentam de plantas infectadas, eles adquirem a bactéria e podem transmiti-la para plantas saudáveis ​​quando se alimentam delas. Xylella fastidiosa pode infectar culturas agrícolas e plantas ornamentais e tem sido responsável por doenças devastadoras em diversas partes do mundo.

Algumas das doenças conhecidas causadas por Xylella fastidiosa incluem a doença de Pierce, a clorose variegada dos cítricos (CVC) e a síndrome do declínio rápido da azeitona (OQDS).

Os esforços para controlar a Xylella fastidiosa incluem a utilização de insecticidas para gerir os insectos vectores, bem como esforços para colocar em quarentena e remover plantas infectadas para evitar uma maior propagação. A investigação está em curso para desenvolver estratégias mais eficazes para gerir e prevenir a propagação desta bactéria e das doenças das plantas associadas.

A EFSA desempenha um papel crucial na coordenação científica das operações contra a Xylella fastidiosa e apoia a Comissão Europeia e os estados membros no estabelecimento de procedimentos, orientações e métodos.

produção-negócio-europa-tempos-de-azeite

Participantes na Quarta Conferência Europeia sobre Xylella, organizada pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos

Antes da conferência, o documentário "A Era dos Gigantes” foi apresentada aos delegados. Investiga os impactos sociais, econômicos e paisagísticos da Xyella fatidiosa em uma região onde o oliveiras monumentais prosperou por milênios.

"Isto é muito significativo, pois permite ao público europeu testemunhar o impacto devastador do agente patogénico”, disse Giuseppe Stancanelli, líder da equipa de avaliação de riscos fitossanitários da EFSA. Olive Oil Times.

"A comunicação ao público é um factor chave para garantir o sucesso das estratégias fitossanitárias”, acrescentou Stancanelli, aludindo à tirinha publicado recentemente pela EFSA.

"Ressalta a importância da ciência no desenvolvimento de estratégias para lidar com ameaças à saúde das plantas, como a Xylella”, disse ele.

Em colaboração com a Comissão Europeia e os estados membros, a EFSA também lançou o #PlantHealth4Life campanha.

"O objetivo é sensibilizar os cidadãos europeus para a importância da saúde vegetal e para a responsabilidade de todos na sua salvaguarda”, afirmou Stancanelli.

Na UE, a Itália não é o único país afetado pela Xylella fastidiosa. Outras cepas da bactéria foram encontradas no Ilhas Baleares da Espanha, Portugal e França. Os insetos vetores, como as cigarrinhas, transportam o patógeno de uma planta para outra, infectando oliveiras, amendoeiras e dezenas de outras espécies de plantas.

Ao longo dos anos, o surto de Xylella fastidiosa, juntamente com a crescente compreensão da ameaça representada pela epidemia, estimulou uma série de atividades em toda a UE.

Anúncios
Anúncios

"A Xylella está agora incluída na lista dos principais fitopatógenos de quarentena mantida a nível da UE, as chamadas pragas prioritárias”, disse Stancanelli. "Isso levou todos os países membros a desenvolver planos de contingência preventivos e a intensificar a vigilância.”

A EFSA mantém a única base de dados global de plantas infectadas pelas diferentes estirpes de Xylella fastidiosa.

"Isso apoia os estados membros em caso de novos surtos”, disse Stancanelli. "Também é útil para as instituições locais e os agricultores decidirem o que plantar nas áreas infectadas. Também relata as variedades de plantas que apresentaram tolerância ou resistência à Xylella.”

De acordo com as conclusões da conferência, os meios actuais para reduzir a propagação de Xylella fastidiosa estão melhorando à medida que novas ferramentas são desenvolvidas.

"A Xylella é um fenômeno global, não apenas europeu”, disse Stancanelli. "Graças aos avanços na investigação científica, às novas ferramentas que permitem a deteção em áreas extensas e às estratégias avançadas de controlo de pragas, estamos a ver progressos significativos.”

"Na conferência, ficou claro como está crescendo o conhecimento sobre a biologia e a ecologia relacionada aos insetos vetores”, disse Stancanelli. "Não só na região do Mediterrâneo, mas também no Norte da Europa.”

A investigação actual financiada pela UE inclui trabalhos sobre prevenção, controlo, ecologia e sociedade, como o Projeto BEXYL, bem como o desenvolvimento de novas soluções de biocontrole atuando tanto contra a Xylella fastidiosa quanto contra seu vetor, como o Projeto BIOVEXO.

BEXYL e BIOVEXO co-organizaram a conferência Xylella em colaboração com a EFSA e outros projectos da UE.

Uma grande parte dos esforços financiados pela UE destina-se a promover a colaboração e a coordenação entre as muitas entidades nacionais envolvidas.

A chave para as estratégias da UE é a detecção precoce. "Com o apoio científico da EFSA, todos os países europeus estão a monitorizar todo o seu território”, disse Stancanelli.

As operações de monitorização alargada seguem as directrizes da EFSA e podem detectar novos surtos. Isso permite uma intervenção rápida para conter a propagação.

"Foram feitos progressos significativos no sistemas de pesquisa e monitoramento e diagnósticos, como os de análise de imagens aéreas e de satélite”, disse Stancanelli.

"Por exemplo, se necessitamos de monitorizar todas as áreas de cultivo de oliveiras na região do Mediterrâneo, não podemos depender apenas de visitas no terreno”, acrescentou. "Precisamos ser capazes de analisar grandes porções de território de uma só vez. Agora essa tecnologia está disponível.”

Outros aspectos cruciais debatidos na conferência incluem as variedades de azeitona que apresentam tolerância ou resistência à Xylella fastidiosa, como a Leccino.

"Há avanços nas pesquisas que visam desvendar o mecanismo dessa resistência”, disse Stancanelli. "É de grande interesse, pois desvendar estes aspectos também pode permitir-nos encontrar esses mecanismos noutras cultivares de azeitona.”

Desde que foi testado pela primeira vez na Apúlia, os métodos de enxerto podem abrir caminho para identificar novas fontes de resistência à Xylella.

"Em Israel, onde a Xylella atacou amêndoas, os pesquisadores identificaram variedades de amêndoas resistentes enxertando-as em plantas e porta-enxertos infectados e observando suas respostas”, disse Stancanelli.

"Em todo o mundo, a Xylella se tornou um patógeno vegetal prioritário”, concluiu. "Hoje, a investigação científica e a coordenação internacional permitem-nos ver esperança na luta contra o agente patogénico.”



Compartilhe este artigo

Anúncios
Anúncios

Artigos Relacionados