A pesquisa sobre a biodiversidade da azeitona é a chave para combater as mudanças climáticas

A identificação de características que permitem que as azeitonas resistam a eventos climáticos extremos, mudanças de temperatura voláteis e doenças permitirá que os agricultores plantem variedades de azeitonas mais resilientes no futuro.

Investigando oliveiras no viveiro (Foto: Claudio Cantini)
Fevereiro 8, 2022
Por Ylenia Granitto
Investigando oliveiras no viveiro (Foto: Claudio Cantini)

Notícias recentes

"Nos últimos anos, tem havido um interesse crescente em caracterizar e catalogar os variedades de azeitona”, disse Claudio Cantini, diretor do Instituto de Bioeconomia do Conselho Nacional de Pesquisa (IBE-CNR) Santa Paolina fazenda experimental, em Folônica.

"Isso levou à criação de grandes coleções como a nossa, que inclui mais de 1,000 acessos, fluindo para o banco mundial de germoplasma de azeitona estabelecido pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e apoiado pelo Conselho Azeitona Internacional", Acrescentou.

Com base nos resultados preliminares, já somos capazes de hipotetizar uma oliveira ideal.- Claudio Cantini, pesquisador-chefe, fazenda experimental Santa Paolina

Santa Paolina foi fundada em 1966 para preservar a biodiversidade vegetal e abriga importantes coleções varietais de pêra, pêssego, caqui, maçã e marmelo, além de azeitonas. Além disso, inclui um centro de pré-multiplicação de material vegetal de oliveira certificado e uma instalação para a reabilitação de oliveiras afetadas por doenças virais.

Veja também:Pesquisadores trabalham para identificar variedades de azeitona mais bem adaptadas a temperaturas mais altas

"Os bancos de germoplasma são muito vastos, mas a riqueza varietal mundial está longe de ser totalmente catalogada”, disse Cantini.

Lembrou que as espécies de oliveiras – Olea Europaea – tem mais de 2,000 variedades conhecidas, das quais cerca de 540 são nativas da Itália, o país com a mais rica biodiversidade de azeitonas.

Anúncios

"Vamos pensar nas várias variedades menores, especialmente aquelas recentemente redescoberto, que ainda precisam ser estudados e caracterizados”, disse Cantini. "Podemos dizer que o crescente interesse dos operadores, ávidos por testar novas variedades a fim de melhorar seu olive oil produção, está empurrando a favor desta pesquisa.”

Nesta fase, os bancos de germoplasma, onde os investigadores armazenam os genes que correspondem às diferentes características das variedades de azeitona, assumem uma importância crucial: podem proporcionar ao setor agrícola uma maior escolha de plantas, especialmente à luz da das Alterações Climáticas.

"Os bancos de germoplasma de azeitona, vastas coleções de diversidade genética, estão se tornando um recurso fundamental”, disse Cantini. "Não é preciso dizer que Preservar a biodiversidade é prioridade neste momento, pois é fundamental para a qualidade dos ecossistemas.”

"Assim, quanto mais caracterizamos a nossa vasta biodiversidade olivícola, mais podemos melhorá-la adequadamente e utilizá-la para fazer face à novos desafios pela frente", Acrescentou.

A pesquisa sobre a biodiversidade da azeitona pode ajudar a encontrar novas maneiras de mitigar os efeitos e lidar com eventos climáticos extremos, mudanças bruscas de temperatura e estresse hídrico, que ocorrem com frequência cada vez maior e criam as condições para o desenvolvimento de doenças.

Cantini está atualmente supervisionando um grupo de pesquisa de estudantes de doutorado que estuda a resistência das variedades de azeitona a esses estresses ambientais.

variedades-produção-mundo-pesquisa-sobre-biodiversidade-azeitona-é-chave-para-enfrentar-mudanças-climáticas-tempos-de-azeite

Avaliação da fotossíntese (Foto: Claudio Cantini)

"Tal como acontece com as variações na espécie humana, onde existem mecanismos de resistência dentro de alguns indivíduos e populações, também dentro das espécies de oliveira pode haver caracteres no genoma das diferentes variedades que são diversas e, portanto, podem dar respostas diversas quando a planta está sob condições de estresse”, disse Cantini. "Posso dizer que quando nos aprofundamos na esfera das variedades de azeitona, um novo mundo se abre. ”

O grupo de pesquisa está trabalhando agora em três publicações sobre o estresse causado pela radiação ultravioleta.

"Estamos estudando a resistência de algumas variedades ao estresse causado pela falta de água”, acrescentou Cantini. "Diferenças significativas dentro das variedades já estão surgindo, pois notamos mecanismos muito diferentes.”

Os pesquisadores também estão considerando características morfológicas, incluindo o mecanismo de transporte de água, enquanto se concentram na anatomia de algumas variedades que têm vasos de transporte completamente diferentes em tamanho e forma. Além do aspecto anatômico, consideram também a formação de algumas substâncias.

"Se observarmos o que acontece dentro dessas variedades quando as colocamos sob estresse, notamos a produção de várias substâncias que de alguma forma tendem a neutralizar o estresse”, disse Cantini. "Os resultados preliminares revelaram-nos a presença de uma proteína, que é conhecida em outras espécies, mas não muito estudada neste momento, que parece representar um elemento conveniente na oliveira.”

"Estamos nos concentrando nessa proteína para entender se ela pode desempenhar um papel fundamental”, acrescentou. "Acima de tudo, estamos analisando a interação entre essa proteína e o genoma; portanto, a ação do gene que é ativado e, possivelmente, como isso pode estar relacionado a outras características da planta, anatomicamente e em outros aspectos.”

A suposição é que dentro da diversidade representada pelas inúmeras variedades de todo o mundo nas espécies de oliveiras, mecanismos de resistência podem ser explorados no futuro.

"Nosso objetivo, um de todos os pesquisadores, é identificar esses mecanismos”, disse Cantini. "Para dar um exemplo com uma variedade bem conhecida, Leccino é resistente a Xylella fastidiosa e também ao frio, e algumas bactérias e fungos também, o que nos faz pensar que deve haver um mecanismo único agindo dentro dessa variedade.”

"Em seguida, introduzimos Leccino em nossos estudos, juntamente com outras variedades que, ao contrário, têm suscetibilidades diferentes, e estamos verificando o que acontece dentro dessas variedades”, acrescentou.

O objetivo é ter um banco de dados rico em informações, por meio do qual os pesquisadores possam não apenas caracterizar variedades existentes que estão prontas para serem utilizadas, mas também criar novas.

"Com base nas descobertas preliminares, já somos capazes de hipotetizar uma oliveira ideal ”, disse Cantinti.

variedades-produção-mundo-pesquisa-sobre-biodiversidade-azeitona-é-chave-para-enfrentar-mudanças-climáticas-tempos-de-azeite

Medição de clorofila e nitrogênio (Foto: Claudio Cantini)

Seu grupo extrapolou quatro plantas modelo do banco de dados de Santa Paolina para seu estudo.

"Estamos tentando descobrir o que acontece quando colocamos essas plantas modelo sob estresse”, disse ele. "Então, por exemplo, vamos supor que temos uma variedade resistente ao frio e uma variedade não resistente ao frio, que possuem vasos de transporte respectivamente largos e estreitos, sendo um resistente à Xylella e outro não resistente. Nós os colocamos sob estresse hídrico; notamos que o mecanismo de como as plantas se relacionam com os estresses ambientais muda completamente de acordo com sua variedade, e isso se encontra no nível celular e genético.”

"Então, por exemplo, se identificarmos uma proteína como a citada acima, acessamos o banco de dados e verificamos os níveis dessa proteína dentro de cada variedade”, acrescentou Cantini. "Se descobrimos que um gene está ativado, vamos ver qual variedade tem uma alta ativação. Se isso acontecer, isso é considerado um marcador.”

"Podemos ter marcadores proteicos, genéticos ou fisiológicos, que também podem ser vistos nas mudas”, continuou. "Podemos então fazer cruzamentos, procurar esse marcador em todos os irmãos e selecionar apenas aqueles que possuem esse marcador, o que será levado em consideração nos estudos subsequentes. Um número consistente de marcadores nos permite redescobrir variedades antigas, que foram deixados de lado pelos agricultores ao longo dos séculos ou para desenvolver novos”.

Atualmente, os investigadores do IBE estão a realizar a impressão digital genética de 1,200 oliveiras, incluindo variedades e acessos, que fazem parte da coleção Santa Paolina.

"Acreditamos que a partir de uma análise aprofundada das coleções e de uma visão de longo prazo dos jogadores, esses estudos podem levar a descobertas interessantes para o tratamento e prevenção de certas patologias de plantas em um futuro próximo”, concluiu Cantini.


Anúncios

Artigos Relacionados

Feedback / sugestões