A Oliveira e a Ascensão de Atenas

A história da competição divina por Atenas reflete a reverência dos antigos gregos pela sabedoria, pela estratégia e pelas necessidades práticas da vida.

Vista da Acrópole de Atenas
Por Simon Roots
16 de janeiro de 2024 17:52 UTC
463
Vista da Acrópole de Atenas

Em todo o Mediterrâneo, a oliveira é há muito importante na sociedade. Seus frutos e azeite formam a base do Dieta mediterrânea, e seus ramos representam a paz no Judaísmo, no Cristianismo e no Islã; a sua silhueta icónica está associada em todo o mundo à paisagem mediterrânica, desde Chipre até Toscana para o Algarve.

Talvez a história que melhor mostre o quão central a azeitona é para a cultura da região seja a de como Atena se tornou a deusa padroeira da cidade de Atenas.

Na mitologia grega antiga, a cidade de Atenas tornou-se palco de uma notável competição entre duas divindades do Olimpo, Poseidon e Atena. A história se desenrola tendo como pano de fundo as sempre presentes rivalidades divinas e o olhar sempre atento de Zeus, governante do Monte Olimpo.

Veja também:Pintor grego dedica mural de Atenas à história da produção de azeite

Diz a lenda que o conflito entre Atena, a deusa da sabedoria, e Poseidon, o deus do mar, surgiu do desejo de reivindicar o domínio sobre a próspera cidade de Atenas.

A cidade atraiu a atenção dos deuses com sua localização estratégica e civilização florescente. Atena e Poseidon, cada um buscando se tornar a divindade padroeira, envolveram-se em uma rivalidade feroz que moldaria para sempre o destino dos atenienses.

O drama começou quando a notícia da rivalidade chegou aos ouvidos de Zeus. Para resolver a disputa e determinar o legítimo guardião de Atenas, Zeus propôs uma disputa entre Atena e Poseidon. Em sua sabedoria, ele declarou que a cidade seria o prêmio, um farol de prosperidade e poder para a divindade que pudesse oferecer o presente mais valioso aos seus habitantes.

O palco do concurso foi montado na colina sagrada da Acrópole, onde os deuses frequentemente se reuniam para testemunhar eventos significativos. As notícias dos eventos iminentes se espalharam como fogo entre as divindades do Olimpo e logo os deuses e deusas se reuniram sobre a cidade.

Atena e Poseidon tomaram suas posições no solo sagrado enquanto a assembleia divina observava. O ar crepitava de antecipação enquanto Zeus, o árbitro final, se preparava para julgar o resultado da competição.

O povo de Atenas também afluiu ao local, com os seus corações mortais cheios de admiração e apreensão, ansiosos por testemunhar o espectáculo que determinaria o destino da sua amada polis.

Poseidon, com o tridente na mão, avançou primeiro para mostrar sua destreza. Com um golpe poderoso, ele atingiu a rocha dura da Acrópole, desencadeando um tremor poderoso que reverberou pela terra.

O solo estremeceu e, para espanto dos espectadores, emergiu um mar subterrâneo, acompanhado por uma nascente de água salgada. A demonstração do domínio de Poseidon sobre as águas foi inspiradora e, por um momento, parecia que o deus dos mares havia garantido a vitória.

No entanto, o povo de Atenas, apesar da sua admiração pela demonstração de poder de Poseidon, enfrentou um dilema.

Atenas já foi abençoada com acesso abundante aos rios e proximidade com o mar. Como disse Platão, os gregos viviam como sapos ao redor de um lago. A dádiva de Poseidon, embora formidável, não atendeu às necessidades práticas da cidade, deixando os habitantes em contemplação.

Com os murmúrios da multidão ainda ecoando pela Acrópole, Atena, a deusa sábia e estratégica, avançou para apresentar a sua oferenda.

Deliberadamente e graciosamente, ela se ajoelhou no solo sagrado e plantou uma semente. Para espanto de todos os presentes, em poucos instantes, um magnífica oliveira surgiu da terra, seus galhos carregados de frutos ricos e inchados.

mundo-a-oliveira-e-a-ascensão-de-atenas-tempos-do-azeite

No topo da Acrópole de Atenas está uma oliveira que é um símbolo de centenas de anos de dedicação e reverência.

A beleza do presente de Atenas não estava apenas no seu apelo visual imediato, mas no seu significado multifacetado.

A oliveira, com sua madeira de alta qualidade, proporcionou um recurso valioso para construção e artesanato. Além disso, as azeitonas eram uma fonte de nutrição para o povo, e o azeite delas extraído tinha diversas aplicações, desde acender lâmpadas até curar feridas.

Anúncios
Anúncios

No entanto, o simbolismo do presente de Atenas foi além do reino material. A oliveira representava paz, prosperidade e sabedoria, atributos que ressoavam profundamente nas aspirações do povo ateniense.

Os aspectos práticos e simbólicos combinados da oferta de Atenas demonstraram a sua sabedoria divina e compreensão das verdadeiras necessidades e desejos da cidade que ela aspirava proteger.

Zeus, observando o desenrolar dos acontecimentos com seu olhar que tudo vê, reconheceu a natureza profunda do presente de Atena. Com a sabedoria adequada ao rei dos deuses, ele declarou Atena a vencedora e, em reconhecimento à sua nova deusa padroeira, a cidade foi nomeada em sua homenagem.

A vitória de Atenas deu início a uma era harmoniosa e próspera para Atenas. A oliveira, um testamento vivo da benevolência da deusa, tornou-se um símbolo reverenciado na cidade.

O povo de Atenas abraçou a sabedoria e a orientação de Atenas e, sob o seu olhar atento, a cidade floresceu nas artes, na filosofia e na governação.

A história da competição de Atena e Poseidon por Atenas é mais do que um mito; reflete a reverência dos antigos gregos pela sabedoria, pela estratégia e pelos aspectos práticos da vida.

O legado duradouro da dádiva de Atenas e a subsequente prosperidade da cidade são um testamento da crença de que a verdadeira sabedoria engloba poder e poder e uma profunda compreensão das necessidades e aspirações daqueles que estão sob sua proteção.



Compartilhe este artigo

Anúncios
Anúncios

Artigos Relacionados