Portugal desfruta de colheita recorde 'fora do ano'

Espera-se que o país produza pouco mais de 126,000 toneladas, a quarta maior produção já registrada. As estimativas iniciais previam uma produção de menos de 100,000 toneladas.

Foto: Viveiros Monterosa
Por Paolo DeAndreis
11 de abril de 2023 21:21 UTC
802
Foto: Viveiros Monterosa

Os preços do azeite em Portugal estão prestes a esfriar depois que o governo incluiu o azeite em uma lista de produtos isentos de imposto sobre valor agregado.

O objetivo da nova medida é amenizar o impacto da inflação nas contas de supermercado das famílias.

A produção de azeite em Portugal continuará a crescer, com possibilidade de se tornar o terceiro maior produtor europeu.- Gonçalo Moreira, gerente, programa de sustentabilidade do Azeite do Alentejo

O consumo esperado de azeite para a safra 2022/23 em Portugal é estimado em 61,000 toneladas pelo Conselho Oleícola Internacional, ligeiramente abaixo da média de cinco anos.

"O consumo de azeite tem diminuído nos últimos anos, o que não é exclusivo de Portugal, com outros países europeus produtores a registarem o mesmo fenómeno”, disse Gonçalo Moreira, gestor de um programa de sustentabilidade do azeite na região sul do Alentejo. Olive Oil Times.

Veja também:Atualizações da colheita de 2022

"Assistimos a mudanças nos hábitos alimentares e de consumo, com menos cozedura e mais alimentos processados ​​e menos literacia na aquisição e preparação de alimentos, como cozinhar alimentos ou pratos tradicionais”, acrescentou. "As gerações mais jovens também estão mais dispostas a aderir a dietas alternativas que geralmente promovem outras gorduras”.

Apesar da estagnação do consumo, a produção de azeite em Portugal continua numa trajetória ascendente, com os produtores antecipando um rendimento recorde para um 'fora do ano', com muitos produtores entrando na fase baixa do ciclo natural de produção alternada da oliveira.

A seca de longa duração e os extremos climáticos que afetaram grande parte da bacia do Mediterrâneo Ocidental durante o ano passado também números de produção afetados. Em Agosto passado, os produtores portugueses de azeite estimaram o rendimento cairia abaixo de 100,000 toneladas.

No entanto, dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que a produção em 2022/23 será bem superior. O INE refere que já foram produzidas 126,000 mil toneladas no país até ao final de Dezembro.

Esse número tornaria a atual safra a quarta maior da história do país, que nos últimos anos apresentou produtividade crescente. No ano passado, Portugal desfrutou de um colheita recorde, que segundo o INE ultrapassou as 230,000 mil toneladas. Segundo o COI, Portugal produziu 206,200 mil toneladas no ano passado.

Moreira disse que ainda é muito cedo para dizer como será o rendimento em 2023/24, e as previsões não podem ser feitas até a floração da oliveira no final da primavera. Ainda assim, ele disse que os investimentos em Olivicultura moderna em Portugal provavelmente resultaria em aumento da produção.

"A produção de azeite em Portugal continuará a crescer, com possibilidade de se tornar o terceiro maior produtor europeu ”, afirmou Moreira.

"Isso vai ser ajudado pelos novos olivais que estão a ser instalados e pela conversão dos olivais em copa para outros métodos mais produtivos, como o olival em sebes”, acrescentou.

Alentejo é o país região produtora de azeite mais relevante, mas os investimentos na olivicultura moderna também estão se expandindo em outras áreas.

"A juntar a isto, temos o aumento do número de novos lagares 4.0, construídos e equipados com a mais moderna tecnologia, que permite uma extração otimizada do azeite e rendimentos da mais alta qualidade”, disse Moreira.

produção-negócio-europa-portugal-desfruta-de-recorde-ano-colheita-tempos-de-azeite

Segundo o INE, a qualidade do azeite em 2022/23 é elevada, com boas características organolépticas e baixa acidez.

"A cada ano, mais empresas produzem azeite de alta qualidade em Portugal”, Alberto Serralha, proprietário da produtor premiado Sociedade Agrícola Ouro Vegetal, disse Olive Oil Times.

Anúncios
Anúncios

Ele acrescentou que a alta qualidade do azeite português raramente é reconhecida como deveria ser. "Portugal precisa de uma entidade profissional para promover os nossos azeites nos mercados internacionais da mesma forma que Espanha, Grécia e Itália o fazem”, disse Serralha.

"Hoje, o caminho não é claro para os produtores de qualidade que tentam crescer e se diferenciar nos mercados de exportação devido à escala e ao orçamento de marketing limitado”, acrescentou. "Além disso, a concorrência de outros países é bastante séria; hoje em dia, qualquer região produtora tem produtores excepcionais.”

"O caminho lógico para os produtores portugueses de qualidade é procurar a diferenciação que as castas tradicionais proporcionam, pois algures existe um mercado que valoriza a sua singularidade”, continuou Serralha.

Outro produtor premiado, António Duarte, proprietário dos Viveiros Monterosa, confirmou que muito mais pode ser feito para melhorar o reconhecimento internacional dos azeites portugueses.

"Ainda há muito a fazer pela marca 'Made-in-Portugal' em comparação com grandes produtores de azeite como Espanha ou Itália ”, disse Olive Oil Times. "Nos últimos anos, um política de promoção do azeite português foi desenvolvido, mas ainda temos um longo caminho a percorrer.”

"A sensação geral é que o azeite português é de excelente qualidade, mas não é muito fácil de encontrar”, acrescentou Duarte. "A maioria dos produtores de azeite de alta qualidade são pequenos ou médios.

Ainda assim, ele reconheceu que a situação está melhorando lentamente. "Os azeites portugueses têm sido mais valorizados nos últimos anos principalmente porque têm sido premiados regularmente em vários concursos internacionais”, disse Duarte.

"Todo o trabalho que os produtores têm feito e o seu reconhecimento com os prémios tem facilitado a aceitação dos nossos azeites e, pouco a pouco, vemos os azeites portugueses a serem comercializados em vários países”, referiu.

à medida que o nova temporada se aproxima rapidamente, Moreira disse: "2023 começou frio e com pouca chuva. No final de fevereiro, o sul já se encontrava numa situação de seca ligeira a moderada, com o centro e o norte numa situação normal de humidade e chuva para a época”.

"Apesar da umidade em março, as altas temperaturas não permitem que a água se acumule no solo”, acrescentou.

Ainda assim, os níveis da bacia hidrográfica são tranquilizadores, com pelo menos 85% da capacidade no sul. No entanto, a escassez de água está sempre na mente dos produtores.

"Os olivicultores sabem o impacto que a falta de água pode trazer e têm tornado os seus olivais mais resistentes”, concluiu Moreira.



Compartilhe este artigo

Anúncios
Anúncios

Artigos Relacionados